amazon

amazon
amazon - clique na imagem

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Band aid gigante


- Mãe, cortei o dedoooooo.....
- Deixa eu ver, filho... Ah não foi nada, nem tá saindo sangue!
- Tá sim, mãe, tá doendo... Cadê o band aid?
- Tá lá no armário do banheiro... Vou buscar.
- Não, deixa que eu vou....
- Band aid, band aid, cadê o band aid? Hããããã, o que é isso? Band aid gigante?
- Achou, Tiago?
- Achei mãe! Nossaaaaaaaaaaaaa, que tamanhãoooooo!!! Como é que gruda isso? Já sei, tirar o papel e colar... Hahahaha, que da hora!!! Olha o tanto que tem.... Mas tem que ser um machucadão... Deixa eu verrrrr, olha, que da hora!!! Há, Power Ranger Branco em ação!!! Pode vir inimigo... Agora tenho poderes poderosos que vai te destruir... Vai te estraçalhar... Te picar picadinho... Te enterrar no lago negro... Pá, pá, pá, pá. Peraí, vou tirar a roupa... Colar um aqui, outro aqui, outro aqui e outro aqui. Pronto, Power Ranger Branco em ação!!!  Pá, pá, pá, pá....
- Tiago, filho, achou?
- Achei, mãe, já vou! E agora, com minha roupa super branca vou te eliminar do planeta... Vou te lançar pro espaço, vou arrancar sua cabeça fedorenta e te mandar pro meio da nuvem de fumaça. Pá, pá, pá... Super Power Ranger Branco em ação!!! Tarará, tarará, tararárá...
- Filho, traz aqui que eu colo pra você!
- Não, mãe, eu já colei, peraí!
- Eu te ajudo! Filho, o que é isso? Tiago, tá arrumando o quê aqui? Onde você achou isso? Deus do céu!
- Mãe, agora eu sou o Super Power Ranger Branco, acabei de acabar com o inimigo mortal das trevas. Tá vendo aquela nuvem lá, daqui a pouco ela vai explodir e levar pro espaço o inimigo e sua cabeça fedorenta. Olha lá, mãe.
- Filho, isso não é band aid, é absorvente.
- O quê, mãe?
- Nada, tira tudo isso e coloca a roupa, agora!!!
- Pá, pá, pá, tarará, tarará...

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Até que ponto vale o sofrimento...

Mais um dia daqueles estafantes, corridos... Comércio lotado, gente se esbarrando, movimento infernal em véspera do dia dos namorados.
E lá estava Lívia enfrentando a multidão. Queria comprar uma lingerie sensual, provocante... O dia merecia a comemoração.
Depois de horas, conseguiu o que queria e voltou pra casa. Cansada, tomou um banho, fez um lanche e ficou esperando por Edu.
Como sempre chegou cheirando cerveja, todo descabelado e sem dar um oi pra Lívia. Como chegou, deitou no sofá e ficou. Depois de hooooooooras, resolveu tomar banho e queria comer alguma coisa que foi prontamente atendido pela sua esposa.
Comeu com os olhos fixos na tv... Era dia de jogo. Ai se desse um pio com ele, virava onça. Era essa impressão que Lívia tinha, seu marido era uma onça.
Ficava olhando pra ele e imaginando o tempo de namoro em que Edu a tratava como uma princesa, que não fazia tanto tempo assim... Apenas 2 anos de casados e já tava esse tédio.
A mãe sempre lhe dizia que só se conhece a pessoa quando se convive na mesma casa... E ela sempre ria disso: "Imagine, eu conheço o Edu como a palma de minha mão."
Agora entendia o que a mãe lhe dizia. E não era só isso... "Homem é assim mesmo, filha, a gente casa e tem que aguentar..."
Aí era discussão na certa: "Não sou de aguentar nada, se fizer algo que eu não goste, vai ter troco."
E Edu sempre aprontava com Lívia... Bebia, ficava nas noitadas com os "amigos", futebol o domingo inteiro...
Mas Lívia jurou, prometeu ajoelhada na igreja: "Na alegria ou na tristeza, na saúde ou na doença, até que a morte os separe". Era católica e seguia seus mandamentos. E também era tolerante, preferia se calar a debater o assunto, discutir.
No outro dia, dia dos namorados, era uma sexta-feira, e nesse dia aí sim que Edu chegava de madrugada em casa. Com todo o jeitinho Lívia pediu carinhosamente pra Edu chegar um pouco mais cedo, pois queria lhe fazer uma surpresa. E ele sorrindo, lhe deu um beijaço e disse que sim, que chegaria cedo.
Pronto, com jeitinho se consegue tudo.
Depois do trabalho, Lívia chegou em casa, deu uma arrumada, colocou flores, perfumou, se arrumou com sua lingerie totalmente sensual e ficou aguardando.
Esperou, esperou e o relógio trabalhando... Coxilou no sofá e a hora passando... Acordava vez ou outra, dava uma ajeitada no cabelo e voltava pro coxilo.
Escutou o barulho do portão se abrindo e deu um salto... Olhou no relógio... 5:30h.
Deus do céu, olha a hora que ele chega!!! Já nem é dia dos namorados mais...
Chegou completamente bêbado, todo suado, descabelado e... ridículo.
Deu uma olhada em Lívia, esboçou um sorriso canalha e mal conseguiu perguntar: "Tá acordada ainda por que? Vai pra cama!".
Todo o perfume da casa sumiu pra dar lugar aquele odor horrível de cerveja podre...
Ela só deu uma olhada e viu que nem adiantava conversar... Só conseguiu dizer, arrancando o robe de seda deixando à mostra a belíssima e cara lingerie: "Olha bem pra isso, olha o que eu preparei pra você... E você chega à essa hora e nessas condições?" Ele que acabara de abrir a geladeira, viu uma lasanha... e pensou que ela estava falando da lasanha... "O quê? Lasanha? Isso eu compro pronta, não precisa fazer pra mim não".
Não restou outra alternativa a não ser se trancar no quarto e dormir. Quem sabe amanhã, um outro dia, ele melhore.
Será mesmo que alguém muda? E ainda perguntam por que os casamentos não duram mais como antigamente!

Mulher de tpm é um perigo, mas se provar o período, sua pena é amenizada... Então pra esses canalhas brucutus, nada melhor que uma espingarda... e um tiro certeiro, não pra matar, só pra castrar!!!

terça-feira, 28 de junho de 2011

Soletrando

Xeretando no Google, que se acha de um tudo, fui lá na lista de nomes estranhos.
Gente, com todo o respeito a quem tem esses nomes... Não é pra rir, mas não tem como.
O que passa na cabeça desses pais que cometem uma atrocidade dessas? Bem, podemos imaginar que são pessoas simples e ignorantes (no sentido de não terem informação). Então a gente dá um desconto.
Tá aí uma pequena lista... mas se vocês procurarem... é um absurdo o que tem lá. Nem coloquei o link pra não constranger.
Ainda bem que hoje em dia não se permite mais nomes estranhos. E vamos combinar? A pessoa tem que passar o resto da vida soletrando seu nome. Affff!!!

Adeandresa Santos Nascimento
Adeandreson Santos Nascimento - irmão
Adegesto Pataca
Amado Amoroso
Asteróide Silvério
Brizabela Alves
Bronsibel
Bucetildes - (eu juro que esse nome tava lá)
Carabino Tiro Certo
Chana Masson - (eu apenas copiei)
Chuck Norris Junior
Comigo é Nove na Garrucha Trouxada
Creosméria Emansueta
Dominador das Dores
Elacervandro Gomes
Eva Gina Melo
Flávio Cavalcanti Rei da Televisão
Frigobar Beneditino
Gerunda Gerundina Pif Paf
Graciosa Rodela - (eu não tenho culpa, juro)
Hypotenusa Pereira
Inocêncio Coitadinho Sossegado
Letsgo (Let's go!)
Maria da Boa Morte
Maria do Seu Pereira
Marlindo Calafanges Fagundes
Meidinusa (Made in USA)
Obedemigo Pereira
Pafôncio Felisbino Fávero
Railander da Silva
Serdeberão dos Anjos
Shuasneguer Ramos Costa
Tropicão de Almeida
Valdisnei (Walt Disney) da Silva
Vandercleide

Ufa!!! Gente, ninguém merece...

Agora vou falar do meu nome: Clarice Lúcia da Silva
Bem, até então tudo normal. Um dia uma amiga chegou pra mim e disse: " Clarice Lúcia... nossa, ninguém merece." Como assim? Depois de analisar bem ela tem razão. Não combina. E se não bastasse Clarice Lúcia ainda tem o "da Silva". Esse "da, de, dos" é de lascar mesmo. Aboli o "da" por minha conta.
Agora é só "Clarice Lúcia Silva". Ainda continua estranho.
E Clarice é até um nome comum. Vira e mexe tem em novelas... Até gosto.
Mas eu não sei se minha voz é muito baixa ou estranha. Mas mesmo sendo um nome comum eu sempre tenho que repetir pra quem pergunta meu nome.
- Nome?
- Clarice.
- Como: Lais, Larissa, Maisa, Nair... e por aí vai.
É um saco, dependendo do meu humor eu já soletro antes que perguntem de novo.
Aí o que eu fiz? Adotei o Clara. Muitas pessoas me chamam de Clara e muitas de Clarice. Atendo pelos 2.
- Nome?
- Clara.
- Como: Lara, Nara, Dara...
Não tem jeito, acho que o problema é com minha pessoa. Alguém lá em cima conspirou contra.
- Alá, aquela lá, coloca um nome simples mas que ninguém entende de primeira.
Mas tudo bem, levo tudo numa boa.
Ou Clarice ou Clara, sou eu, muito prazer!!!

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Desafio Literário por Diva de Montalbán

Minha querida amiga blogueira, lindíssima Diva, que é uma diva, topou o desafio literário.
Convido todos que aqui visitam a conhecer o seu blog que é um luxo só.
P.S. Diva é escritora e musicista. Chique demais!!!

Tá aí o link: Diva
Outra amiga que também topou foi a querida Celina Dutra: leia aqui


Olha o passarinho...

Programa Marília Gabriela entrevista - GNT
Convidados: os fotógrafos Miro e Trípoli.

Primeiro eu quero expressar que sou fã de Marília, da forma como conduz o programa e de sua inteligência e carisma.
Primeiro ela entrevista os 2 juntos e depois separados e no final juntos de novo. Eu os conhecia só de nome e de fama, mas adorei conhecê-los melhor.
Miro, quem diria, apesar de toda a fama, um homem de poucas palavras e tímido. Nasceu em Bebedouro e nem soube explicar como chegou a ser famoso como é. Se acha chato e que se a esposa dele já teria de separado. É quase insuportável.
E uma coisa interessante que disse, por isso estou aqui escrevendo, ele quase não tem fotos de sua pessoa ou das pessoas que convive. Engraçado isso.
A explicação dele é que prefere observar os detalhes, os gestos do que fotografar. Quer dizer, ele tem memória fotográfica só dele. Ele se lembra de detalhes, de gestos, de momentos que ninguém sabe, somente ele. Fantástico isso.
E que também não gosta de se fotografar. Aleluia! Eu também não. Odeio fotos minhas.
Me dá a impressão que não sou eu na foto. Pode aparecer quem for e achar que ficou ótimo, que fiquei bem, etc. Não acredito. Não é o que eu vejo. Não me vejo na foto. Não vejo minha essência no papel. Eu sou muito mais do que a foto mostra.
Já tentaram me confortar dizendo que a foto é uma representação da pessoa... Mas não me convence. Eu tenho vontade de rasgar todas, todas!
Se quer me ver, me veja pessoalmente, que sou muito mais interessante.
É difícil explicar... Muitos acham que é frescura minha. Mas é assim que eu me sinto. Não sou fotogênica e ponto final.
Agora o Trípoli tem toda aquela fama que muitos que acompanham a mídia sabem. Mas como ele mesmo disse: "Eu fotografo mulheres lindíssimas, mas apagou a luz, desligou a música, acabou, vida normal."
Sempre extrovertido, muito bem humorado, sua fama era de ter uma cama ao lado do estúdio. Isso é só fama! É casado a 20 anos com uma mulher belíssima.
Outra coisa interessante que ele disse foi que não vai mais a desfiles de moda.
"As mulheres são perfeitos cadáveres, parece que tiraram as adolescentes do necrotério e colocaram na passarela. Mulher brasileira não é isso... Mulher brasileira tem curvas, tem cor, sem saúde. Qual a graça de colocar uma menina linda desfilando e não a ver dando um sorriso, um olhar, um charme? Pra que então?"
Perfeita colocação, eu achei!
Não entendo nada de moda, nem de desfiles, nem de fotos, mas o bonito é bonito e o bizarro é estranho.
Modelos de passarela são estranhas, são andróginas, são cabides... Tão magras que parecem que têm braços nos lugares das pernas. Por que não mudam essa insistência de que modelo tem que ser cadáver?
Eu gostei da entrevista e queria dar minha opinião.
São profissionais talentosíssimos e brasileiros, graças à Deus!
Trípoli, sempre sorrindo.

Miro, uma das pouquíssimas fotos no Google. Sério e tímido.

domingo, 26 de junho de 2011

Eterno

Dois anos já se passaram... mas parece que foi ontem. Aconteceu, realmente aconteceu. Ele se foi. Difícil acreditar... ídolos deveriam ser eternos. E são... em nossos corações.
Eu sou fã... sou da geração dele, acompanhei desde o início. E também tentei sem sucesso o moonwalk. Quem da geração de 80 não tentou?
Agora, uma opinião minha: eu não acredito que ele tenha feito tanta coisa ruim como diz a mídia. Isso foi pura estratégia de marketing de gente inimiga. Mesmo cercado de seguranças, conseguiram atingi-lo de forma brutal através do que ele mais gostava e do que ele nunca conseguiu ser... criança. Ele era uma criança grande, crescida, amadurecida, julgada e condenada. Se afastou por anos mas não deixou de ser amado.
É o preço que teve que pagar por ser extremamente talentoso, carismático, genial e único. É o preço por comportar tanto amor de gente que ele nem sabia da existência. Sabia que estavam todos lá mas não sabia quem eram e quantos eram.
O mundo a seus pés.
O amor a seus pés.
A fama a seus pés.
A tristeza a seus pés.
A solidão a seus pés.
A morte á seus pés.
Nessa hora, a hora da morte, mostrou pra todo mundo que também era humano e simplesmente se foi. Sem volta! Pena, saudades... imortal...

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Crise dos 40 aos 45...-

Ontem eu olhei no espelho e estavam lá... as primeiras rugas.
Até ontem eu tinha a pele lisa, mas daqui a pouco tá parecendo um maracujá de gaveta.
Desde os 20 anos mais ou menos eu cuido da pele. Apesar de ter o hábito de torrar no sol, meu rosto sempre foi preservado. Tanto é que quem me conhece não acredita na idade que tenho. Isso é ótimo.
Mas agora olhando no espelho, assustei.
Meus cremes não estão dando conta!
Sinceramente não sei se estou gostando de envelhecer. Tô com medo!
Pensar que talvez eu já tenha vivido a metade ou 2/3 da vida me dá um frio na barriga. Não quero nem pensar no assunto pra não entrar em nóia.
Mas elas estão todas lá. É só dar um sorriso que elas apontam, todas nítidas.
Eu sempre disse que queria voltar aos 20 com a mente de hoje... aliás todo mundo costuma dizer isso.
Mas eu queria voltar aos 20 com a mente de 20 e esquecer que um dia a gente envelhece.
Não sei se foi por causa dessas pendengas todas que me aconteceu, mas tá me dando um vazio no peito. A sensação de que não fiz nada, que falta muita coisa ainda e não sei se vai dar tempo.
É a crise dos 40 que chegou aos 45. Não tô gostando não!
O corpo da gente muda muito, não tem mais aquela elasticidade, aquele vigor... mas as rugas a gente não consegue não ver. Estão lá te apontando, te acusando: "Oie, aqui estou, lindinha, cheguei!!!"
Engraçado que se alguém disser: "Daqui a 10 anos...", parece que tá tão longe... Mas se a gente olhar pra trás: "A dez anos atrás..." parece que foi ontem.
Cazuza, por que você foi inventar que o tempo não pára? Todo mundo sabe, mas não devia ter dito!
Comprei uns cremes mais potentes, a pele fica lisa, macia, mas não dá pra esconder as benditas rugas.
Tem o botox... mas não me apetece e também não é pro meu bico e nem pro meu bolso. Acho que não tenho nem roupa apropriada pra usar junto com o botox.
Então tenho que me conformar.
Mas estou com frio na barriga, com medo, com um oco no estômago e sim... acho que estou com medo de morrer!!!
Mas enquanto tudo isso não acontece, hoje o dia tá lindo, o sol brilhante, um friozinho gostoso e vou fazer uma bela duma macarronada com queijo ralado por cima. E de sobremesa uma maçã vermelhinha e cheirosa.
Acho que tá bom, né...

Eu com 22 anos...

Eu com 45...

quinta-feira, 23 de junho de 2011

O pirulito de Ana Clara



- Ana Clara.....
- Xiiiiiiiiiiiiiii Tonico, lá vem a mamãe.
- Ana Clara, filha, cadê você?
- O quê, mãe!
- Vai se trocar rápido, papai já tá vindo!
- Tá bom mãe!
- Ana Clara, pode me explicar o que significa isso?
- É o meu pirulito mãe! Qué?
- Mas que sujeira é essa? Que bagunça é essa? De onde saiu tudo isso? E você Tonico, tá fazendo o quê aí?
- Ué mãe, isso é brinquedo...
- Mas que brinquedo... essa sujeira?
- Tinta de brinquedo, ué...
- Onde você achou isso, filha?
- Eu queria o pirulito, então subi no armário e achei, ué...
- Eu tô falando da tinta, filha...
- Tava ali óóóóóó...
- Quem mandou você pegar?
- Mas brinquedo ninguém manda eu pegá. É brinquedo e eu peguei e pronto!
- Filha, seu pai já está vindo pra buscar a gente...
- Eu falei pro Tonico que você ia ficar brava, mas ele nem escutou...
- Tonico, seu arteiro, vai pra fora, agora!!!
- Foi ele que mandou mãe, não fui eu!!!
- O Tonico mandou você pegar as tintas e você obedeceu?
- Ué, obedeci, você não fala todo dia que é pra obedecer?
- Obedecer a mim e a seu pai, Ana Clara, não ao Tonico!
- Eu só queria o pirulito e peguei, ué...
- E agora?
- Agora nada ué... o Tonico...
- O Tonico vai ficar de castigo, mocinha, e você já pro banho!
- Mãe, ué, saaaabe, eu queria fazer um presente pro papai, entendeu... aí eu peguei as tintas mas eu não achei o papel. Então eu ia pintar o Tonico e dar ele pro papai, ué... E ele falou que podia pintar ele... então eu pintei, ué... Olha como ficou liiiiiindo o Tonico! Se você quiser eu pinto o Pretinho pra você, ué...
- Não, filha, o pretinho não!
- Agora corre pro banheiro e tira essa tinta toda, viu! Depois te dou um papel pra você fazer o desenho!
- Eu vou fazer no papel o Tonico igual ao Tonico pro papai, ué... E depois você me dá outro papel pra fazer o Pretinho igual o Pretinho pra você, ué...
- Pro banho, Ana Clara! Pro banho, já!!!
- Já vou ir, ué...

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Dias de insônia


Quem tem sabe do que eu vou falar.
Não é fácil. E tudo começou há uns 10 anos junto com a depressão e o pânico. Tudo num pacote só.
Já chega a depressão que te deixa inerte, sem atitude e submersa num mundo oco, o pânico que te mostra a morte em todos os segundos, a insônia não tem explicação. Ela vem e fica.
No começo é realmente muito difícil, você não sabe como agir e nem os olhos conseguem ficar fechados.
E uma coisa que me apavora até hoje é o silêncio. Não suporto. Eu ouço tudo que não quero no silêncio, principalmente meus pensamentos, minhas nóias, meus medos. Disso eu tento fugir.
Então quando o pacote chegou a primeira coisa... dormir de luz acesa, rádio ligado e a tv também.
Aí vem o medo... fechar os olhos e... e se aparecer alguma coisa e eu não ver?
Olha, demorou um bocado pra eu enfiar em minha cabeça que aquela hora era de dormir e não de ficar esperando barulhos ou o que quer que seja. Tá bom, vou apagar a luz.
E se por acaso eu dormir e morrer? Como é que eu vou dormir e não acordar nunca mais? Alguém tem que me vigiar... vigiar meu sono... minha noite imeeeeeeeeeeeeensa.
Mais um outro bocado pra eu saber que estou bem, tudo controlado e que a chance de eu morrer dormindo é praticamente nula.
Ok, vou desligar a tv. Mas o rádio fica!
E ele permanece ligado durante a noite até hoje. Mas já consigo fechar a porta do quarto e deixar só uma frestinha de luz entrar. Mas o rádio toca. E sabe o que eu tenho o costume de ouvir? Às 3:00h, na rádio que fica ligada tem a "Voz do Brasil". Alguém nesse mundo ouve isso? Eu ouço!
Vez ou outra eu durmo bem. Acordo até assustada com o despertador... e a cara ótima. E agradeço, agradeço, agradeço muito.
E quando a gente tem esses desvios como a insônia,  até tenta lutar contra mas acaba arrumando um jeitinho pra ludibriar a danada.
Antes eu virava, revirava e fritava na cama e acordava péssima.
Mas se não tem jeito, não adianta lutar contra. Então agora eu fico quietinha, de olhos fechados e ouvindo música a noite toda. Às vezes consigo não pensar em nada, outras eu fico resolvendo os meus problemas e outras eu fico inventando histórias.
Já aconteceu de eu ficar a noite toda acordada... e quieta... e de olhos fechados... e inventando histórias. E quando o despertador acorda eu até lamento não ter mais uns 5 min. de cama.
A gente se acostuma com tudo mesmo!
Eu gostaria de dormir a noite toda, mas como por enquanto não tem jeito, paciência. É um jogo que com jeito não fica tão agonizante.
E eu como brasileira dei o meu jeitinho também.
Bons sonhos à todos!!!

terça-feira, 21 de junho de 2011

Ahhh a infância...

Eu adorei esta crônica...

Fernando Sabino
A Mulher do Vizinho
Editora Record

Festa de aniversário

Leonora chegou-se para mim, a carinha mais limpa deste mundo:
- Engoli uma tampa de coca-cola.
Levantei as mãos para o céu: mais esta agora! Era uma festa de aniversário, o aniversário dela própria, que completava seis anos de idade. Convoquei imediatamente a família:
- Disse que engoliu uma tampa de coca-cola.
A mãe, os tios, os avós, todos a cercavam, nervosos e inquietos. Abre a boca, minha filha. Agora não adianta: já engoliu. Deve ter arranhado. Mas engoliu como? Quem é que engole uma tampa de cerveja? De cerveja, não: de coca-cola. Pode ter ficado na garganta - urgia que tomássemos uma providência, não ficássemos ali, feito idiotas. Peguei-a no colo: vem cá, minha filhinha, conta só para mim: você engoliu coisa nenhuma, não é isso mesmo? - Engoli sim, papai - ela afirmava com decisão. Consultei o tio, baixinho: o que é que você acha? Ele foi buscar uma tampa de garrafa, separou a cortiça do metal:
- O que é que você engoliu: isto... ou isto?
- Cuidado que ela engole outra - adverti.
- Isto - e ela apontou com firmeza a parte de metal.
Não tinha dúvida: pronto-socorro. Dispus-me a carregá-la, mas alguém sugeriu que era melhor que ela fosse andando: auxiliava a digestão.
No hospital, o médico limitou-se a apalpar-lhe a barriguinha, cético:
- Dói aqui, minha filha?
Quando falamos em radiografia, revelou-nos que o aparelho estava com defeito: só no pronto-socorro da cidade.
Batemos para o pronto-socorro da cidade. Outro médico nos atendeu com solicitude:
- Vamos já ver isto.
Tirada a chapa, ficamos aguardando ansiosos a revelação. Em pouco o médico regressava:
- Engoliu foi a garrafa.
- A garrafa? - exclamei. Mas era uma gracinha dele, cujo espírito passava muito ao largo da minha aflição: eu não estava para graças. Uma tampa de garrafa! Certamente precisaria operar - não haveria de sair por si mesma.
 O médico pôs-se a rir de mim:
- Não engoliu coisa nenhuma. O senhor pode ir descansado.
- Engoli - afirmou a menininha.
Voltei-me para ela:
- Como é que você ainda insiste, minha filha?
- Que eu engoli, engoli.
- Pensa que engoliu - emendei.
- Isso acontece - sorriu o médico: - Até com gente grande. Aqui já teve um guarda que pensou ter engolido o apito.
- Pois eu engoli mesmo - comentou ela, intransigente.
- Você não pode ter engolido - arrematei, já impaciente: - Quer saber mais do que o médico?
- Quero. Eu engoli, e depois desengoli - esclareceu ela.
Nada mais havendo a fazer, engoli em seco, despedi-me do médico e bati em retirada com toda a comitiva.




Eu adoro esse universo infantil. Presto atenção em crianças e acho tudo fascinante!

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Escrever


Uma pessoa muito querida, um grande amigo me incentivou fazer um blog. Como assim?
Até então nunca tinha passado isso pela minha linda cabecinha. Mas escrever eu sempre gostei.
Tá bom, eu confesso, já ganhei prêmio, lá em 19 e bolinhas, no tempo de colégio. Também sempre me dei bem com a escrita e só. Mas fazer um blog? Escrever o quê?
Então tá. Vamos lá. Abri e cá estou... adorando por sinal. Eu já sabia mas a cada dia gosto mais e mais de escrever.
E me comprometi a escrever de domingo a sexta-feira. E dá trabalho!
Escrever qualquer coisa jamais, e copiar ideia do outro sem dar crédito também jamais.
Engraçado isso, como se prolifera um assunto na net. Um escreve um assunto interessante, daí a pouco outro também faz o mesmo, e o outro também, e o outro também. E a pouquíssimo tempo todos falam a mesma coisa.
Confesso que não gosto muito dessa atitude não. Eu posso é dar minha opinião e claro colocar um link pra mostrar de onde eu tirei o assunto. Isso eu já fiz.
Mas escrever algo todos os dias não é fácil. Alguns posts ficam bons e é claro que outros não. Já aconteceu de apagar um post por não ter gostado, depois de umas 2 horas no ar. Nem sei se alguém havia lido. Faz parte.
Mas como arrumar assunto todos os dias? Ora bolas, dona Clara, é só olhar à sua volta!
E é verdade, tudo é notícia, tudo é assunto, tudo dá um texto até bom.
Mas como colocar tudo no papel sem parecer chato ou cansativo?
Aí é que está... "Escreva com o coração... tudo que você escreve com o coração fica bom!". Foi o que o meu adorado amigo me disse. Fofooooooooo!!!
Eu sou muito crítica, e escrever é um tiro no escuro. Eu sempre acho que poderia ter feito melhor, mas já que fiz assim assim ficará.
E quem escreve deve ter os momentos de inspiração. E eu tenho os meus. Não tem hora certa nem dia, apenas ela vem e tenho que escrever. Às vezes não dá na hora, aí anoto num caderno pra depois mas... não sai de jeito nenhum. Ou é na hora ou nunca mais.
Ultimamente estou naquela fase de trocar nomes, esquecer coisas, etc. Pra vocês verem como estou, ontem eu quase destrui um controle remoto. Eu coloquei um DVD e simplesmente ele não funcionava. Fucei nas pilhas, dei uns tapas e nada. Chamei meu filho pra me ajudar, porque tava quase mandando ele na parede. Adivinhem...  O controle era da tv a cabo e não do DVD!!!
Também às vezes escrevo uma frase que quero escrever o texto depois e quem disse que lembro do que se trata? Não tenho a mínima ideia do que significa aquilo. Um texto perdido.
Eu comecei a escrever este aqui porque li no caderno "A menina que não sabia amar". Mas o que eu estava pensando na hora que escrevi o título? Não faço a mínima ideia. Pode ser que mais pra frente eu me lembre, ou nunca me lembre, ou escreva outra coisa no lugar, não sei. Mas terei que mudar o título porque com certeza não vai ficar bom.
É uma dúvida sem fim.
Eu tenho muita vontade de escrever um romance, um drama, um livro de crônicas. Mas não sei nem como começar, o que escrever, como me portar diante de tal desafio. Será que consigo?
Ainda é cedo pra imaginar uma coisa desse porte. Então continuo no blog com muito gosto e muito feliz com o todo o carinho que recebi até hoje das pessoas que por aqui passam e comentam.
Eu adoro quando comentam. Adoro saber quem são, se também tem blogs, etc. E agradeço a todos.
E se tiverem críticas, por favor, não deixem de fazê-las. Isso é muito importante pra mim.
Aí, tá vendo como tudo dá um texto. Não tinha nada em mente e já escrevi uma redação.
Então ficamos assim, eu aqui e vocês aqui também, certo?
Beijos e boa semana!

domingo, 19 de junho de 2011

Recomendo...

Em algum lugar do passado


O resumo completo do filme aqui

A história tem início quando o jovem dramaturgo, Richard Collier (Christopher Reeve), conhece uma idosa senhora que lhe entrega um relógio de bolso, seguido da enigmática e desconexa mensagem "volte para mim". Anos depois e desejando espairecer, viaja para um hotel grandioso e antigo, no qual vê a foto da atriz Elise Mckenna (Jane Seymour), por quem apaixona-se perdidamente. No entanto, a fotografia é do ano de 1912, e o jovem decide então voltar ao passado para encontrá-la.
Nosso eterno Superman... inesquecível!


A história é extremamente romântica de um vai e vem da atualidade pro passado em busca de seu grande amor. É claro que acontecem muitas intrigas, desencontros e sofrimentos. E como toda história de amor, nem sempre dura pra sempre... Às vezes basta uma única vez juntos pra consolidar o amor eterno.
Quem nunca se apaixonou por uma foto?

Fotos são lembranças eternas... Que bom seria se pudéssemos de alguma forma reviver um passado que nos marcou tanto e tanto. Ver o brilho dos olhos de novo, o abraço, o beijo, o amor...

Quem resiste a uma história de amor?

No fundo o que nós todos queremos é amar e ser amado... seja do jeito que for... de preferência sem sofrimentos. Mas se não fossem estes não saberíamos o gostinho da felicidade plena. Nem que fosse pra durar alguns instantes de uma vida inteira. Supremo, eterno!

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Menina difícil

Dias atrás uma pessoa me chamou de "difícil... gênio forte... personalidade forte". Nunca tinha parado pra pensar sobre isso. Como assim?
Segundo o Prof.Luiz Machado, Ph.D., Cientista Fundador da Cidade do Cérebro, personalidade forte é aquela pessoa que sabe o que quer, quando tem projetos de vida que vão sendo substituidos por outros à medida que são concretizados, quando a pessoa é determinada, isto é, quando acredita firmemente que vai atingir os resultados. Tudo isso aliado à postura corporal, dos gestos, do andar, da voz, do olhar etc. É por isso que se fala em "olhar inteligente", "olhar maroto", "olhar inquisidor"... A voz e o olhar são os maiores reveladores da personalidade forte.
Agora segundo o Dr. Flávio Gikovate, médico psiquiatra, psicoterapeuta e escritor, pessoas com gênio forte são aquelas que reagem com grande violência em situações que a desagradam. Ou seja, a pessoa de temperamento forte só está bem e calma quando tudo acontece exatamente de acordo com a vontade dela. Nos outros casos, sua reação é explosiva e o estouro costuma provocar o medo nas pessoas que a cercam.
As pessoas de "gênio forte" conseguem prevalecer seus desejos apenas nas pequenas coisas do cotidiano. As coisas verdadeiramente importantes não são decididas por nenhum de nós, leva os de "genio forte" a comportamentos ridículos: berram, esperneiam e blasfemam diante de acontecimentos inexoráveis, e contra os quais nada podemos fazer. Reagem como crianças mimadas que não podem ser contrariadas.
Voltando ao meu adjetivo "forte", sou sim de personalidade forte. Eu sei o que eu quero, vou atrás, batalho mas sem precisar passar por cima de pessoas pra alcançar meus objetivos. Vou até às últimas batalhas, se eu esgotar todas as possibilidades e ver que não dá, ok, parto pra outra sem problemas. E também não tenho problemas em mudar de opinião. Sou humana e sempre erro, faço coisas equivocadas e se precisar mudo de opinião sim.
E também sei muito bem o que eu não quero. E digo não pra tudo isso sem dó.
A pessoa que me chamou de "forte" na verdade sempre quis me manipular, sempre quis mudar meu jeito de ser, sempre quis que eu fizesse o gosto dela sem respeitar o meu, ou seja, queria decidir a minha vida em tudo.
Aí não dá né gente! Quem aguenta isso? Onde está o respeito?
E eu como libriana, às vezes fico indecisa, às vezes me calo pra não brigar, pra não magoar e sem querer, num piscar de olhos vou pro buraco.
É engraçado que com o passar dos anos, com o amadurecimento, enxergamos coisas que nos fizeram tanto sofrer. E hoje é bom comentar tudo isso... E não cair de novo em garras "fortes" que pensam ser donos de pessoas.
Eu tenho personalidade forte sim, mas respeito todas as opiniões, todas as outras personalidades fortes. Mas se eu não quero uma coisa, eu não quero e pronto! Se eu quero e todos não querem, pronto também!
Hoje de forma nenhuma me sinto contrariada com nada, pelo simples motivo de fazer quase tudo com prazer, com alegria, com otimismo, com perseverança e um extremo bom humor que nem sei de onde tirei isso.
Então tá: sou personalidade forte e extremamente bem humorada! E a vida é bela e breve!

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Desafio Literário

Esta é a estante da minha casa... Alguns dos meus tesouros
Adorei essa ideia, então vou compartilhar esse desafio literário do blog do Alexandre Mauj Imamura
link aqui o blog

1) Existe um livro que você leria e releria várias vezes?
- Ah, tem vários, de cabeça assim não citaria nenhum em especial, a maioria eu gostei, então eu leria todos os que gostei até hoje.
- Isso sem contar que sou "meio esquisita" com livros. Eu começo a ler e não tenho paciência de ler ele todo pra saber do final. Então.... vou pro final, fico sabendo e volto pro começo e continuo. Pra não sofrer tanto, entende?

2) Existe um livro que você começou a ler, parou, recomeçou, tentou e tentou, mas nunca conseguiu ler até o final?
- Teve um que comecei a ler mas não sei o nome. Estava na 5a. série e era matéria de prova. Simplesmente não consegui a ler e discuti muito com a professora por ela ter indicado um livro sem pé nem cabeça. Não tirei nota, mas nem me preocupei porque era boa aluna e isso não iria me fazer falta. Topetuda!
- Tem um de Shakespeare que achei entediante e não consegui a ler... não me lembro qual tragédia.
- Tem mais alguns... mas deixo só estes daí.

3) Se você escolhesse um livro para ler para o resto da sua vida, qual seria ele?
- Bíblia Sagrada.

4) Que livro você gostaria de ter lido, mas que, por algum motivo nunca leu?
- Os livros de Martha Medeiros. No momento estou sem grana pra comprar livros.

5) Qual livro que você leu cuja "cena final" você jamais conseguiu esquecer?
- Pássaros Feridos de Collen McCullough.
É um livro grosso e de letras pequenas, tão intenso que li em mais ou menos 3 dias. Não conseguia parar de ler.
- O Primo Basílio de Eça de Queiroz.
Esse me intrigou muito, a que ponto chega uma paixão e uma infelicidade no casamento.

6) Você tinha o hábito de ler quando criança? Se lia, qual tipo de leitura?
- Criança quase adolescente, Machado de Assis (todos), José de Alencar (todos), Eça de Queiroz, Graciliano Ramos - Vidas Secas fiquei impressionada... cachorra Baleia, Ágatha Christie - O Caso dos Dez Negrinhos, li tão rápido que reli, algumas poesias de Olavo Bilac, nós tínhamos que decorar poesias pra declamar na frente de todos... um horrorrrrrrrrr!!! Mas valeu porque até hoje me lembro de algumas.

7) Qual o livro que você achou chato, mas ainda assim o leu até o final?
- Grande Sertão Veredas de Guimarães Rosa. Acho que li pela fama e também porque gostei da minissérie quando passou. Mas o livro é chato pra dedéu. Nem me lembro do final.
- Outro também que eu esperava mais por ele é Eles não usam black tie de Gianfrancesco Guarnieri.
- Biografia de John Lennon... detestei, ainda mais quando apareceu aquele porre da Yoko. Li por curiosidade pra ver quem sabe se ela morria no final.... hahahaha maldade!

8) Indique alguns dos seus livros favoritos.
- O Primo Basílio - Eça de Queiroz
- A Divina Comédia - Dante Aligieri
- O Pagador de Promessas - Dias Gomes
- O Retrato de Dorian Gray - Oscar Wilde
- Antologia Poética - Mário Quintana
- Antologia Poética - Vinícius de Moraes
- Pássaros Feridos - Collen McCullough

9) Qual livro você está lendo no momento?
- Na verdade fiquei uns anos sem ler livros. Problemas pessoais que já estão sendo eliminados, então agora eu estou lendo o que tem em minha estante que ainda não li. Por isso a lista de livros clássicos e antigos. Mas com o tempo coloco tudo em dia.
- No momento estou lendo A Mulher do Vizinho de Fernando Sabino.
São crônicas muito divertidas. Estou gostando.

10) Indique outros blogues e blogueiros para participar desse desafio:
- Convido a todos os leitores que me visitam, a fazerem esse desafio literário.
- Se quiserem podem deixar nos comentários ou mandar email clarice.lucia@gmail.com

Obrigada ao querido amado, idolatrado salve, salve Alexandre por compartilhar mais esse espaço com a gente.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Cadê o dente, Felipe?


- Vamos, Felipe, rápido... tá atrasado!
- Não mãe, não quero!
Mas olha isso que feio, vão zoar com a minha cara! Ontem ele tava aqui e hoje não tá mais.
Se aquele moleque começar a zoar comigo, eu vou com tudo... bato mesmo!
- Filho, o que tá fazendo?
- Mãe, tô no banheiro, espera!
Eu não quero ir, eu não quero ir...
- Jesus, Felipe, filhooooooooooooo...
- Mãe, tô com dor de barriga, esperaaaaaaaa...
E agora fico eu com esse "dente careco"... Não é justo!
E a Mariana... Vai rir da minha cara!
O Patrick, aquele baixote, vai ver só se... Ai se ele falar alguma coisa.
Por que só eu? Os meninos todos tem todos. E eu com esse dente careco!
- Ô filho, que foi? Tá demorando... Tá doendo onde?
- Ah, mãe, eu não quero ir...
- Mas por quê, querido? Já tá pronto!
- Num tô, cadê meu dente?
- Tá lá no telhado... Lembra que nós jogamos ele ontem à noite? Daqui a pouco nasce outro maior, mais bonito, mais forte e você vai se tornar um rapazinho.
- Tá horrível, mãe, eu não vou!
- Felipe, filho, tá lindo... Toda criança arranca os dentes. Vai ver lá na escola um monte de coleguinha banguela.
- Mas o meu tá careco!
- Tá o quê? hahahahaha... Filho!
- Os meninos vão zoar comigo!
- Vão não, você tá lindo... Olha só no espelho que olhos lindos, que bochechas lindas...
- Mas o vovô tá com todos dentes carecos e você não diz que ele é lindo...
- Quando o vovô tinha a sua idade, ele também arrancou os dentes.
- E tem o tio Robinho que tem o dente da frente careco e você não diz que ele é lindo...
- Filho, todos nós já fomos crianças e já arrancamos os dentes...
- Olha aqui, mãe, se eu fechar a boca a língua fica aparecendo lá dentro... Olha!
- Então você fica de boquinha fechada até apontar o outro dente. Deixa eu ver... Alá, já tá apontando!
- Mãe, meu dente careco, mãe... Eu quero ele de volta...
- Olha, nós vamos à escola e depois eu te levo ao dentista pra ver o que fazemos, certo? Mas antes eu quero passar no Shopping... o que você acha?
- Vai comprar McDonalds?
- Depois da aula eu vejo... Vamos ao Shopping e lá eu resolvo.
- Então vamos, mãe.
- Lindo, você é muito lindo, mesmo com esse dente careco!

terça-feira, 14 de junho de 2011

30 anos sem Mazzaropi

Em 1952, Mazzaropi estreia seu primeiro filme "Sai da frente", e depois até 1958 faz mais cinco filmes. Naquele mesmo ano, vende sua casa e cria a PAM Filmes (Produções Amácio Mazzaropi). O primeiro filme da nova produtora é "Chofer de Praça".
Em 1959 é convidado a fazer um programa de variedades que fica no ar até 1962. Neste mesmo ano começa a produzir um de seus filmes mais famosos, o Jeca Tatu.
Em 1961, adquire uma fazenda onde inicia a construção de seu primeiro estúdio de gravação. "Tristeza do Jeca" é o primeiro filme.
Cinco anos mais tarde, começa a construir em Taubaté um grande estúdio cinematográfico.
Seu 33o. filme, "Maria Tomba Homem, nunca seria terminado. Depois de 26 dias internado, Mazzaropi morre vítima de um câncer na medula óssea aos 69 anos. É enterrado em Pindamonhangaba.
Em 1994 é inaugurado o Museu Mazzaropi, localizado na mesma propriedade dos antigos estúdios, recolhendo a história da carreira de um dos maiores nomes do cinema, do teatro e da televisão brasileiros. Foi somente na década de 1990 que a cultura brasileira começou a ver de uma outra óptica a obra de Mazzaropi, que durante sua vida sempre foi duramente atacado (ou ignorado) pela crítica e pela intelectualidade.
Ao todo são 16 filmes e mais um incompleto, o "Maria Tomba Homem".
Ontem fez 30 anos da morte desse magnífico artista.
Veja o link aqui

Minha infância foi regada com filmes de Mazzaropi. Me lembro que ria até chorar... ainda criança.
Sempre gostei de filmes de comédia e só de começar, só de ver a cara dele já caia na gargalhada... e todos, é claro, morriam de rir de mim. E quase morri de rir de novo vendo este vídeo... Bem, eu não sirvo de base, rio à toa mesmo... Falou que é comédia? Já começo a rir antes de começar o filme.
Saudades daquele tempo.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Passei no teste!

Eu já sabia mas fui ao centro da cidade, nas lojas, no sábado, e estava lotado, lotado, lotado!
Na verdade fui fazer um teste comigo... Qualquer coisa era só ir embora.
Entrei numa loja de departamentos - Pernambucanas - que eu gosto porque eu posso escolher o que eu quiser sem ficar vendedora me enfernizando o tempo todo. Gosto de escolher sozinha. Me dá um nervoso quando a vendedora tira tudo do armário e coloca no balcão pra eu escolher. Eu largo tudo e vou embora.
Era gente esbarrando em mim o tempo todo e eu esbarrando em todo mundo o tempo todo. Mas mantive a calma. Escolhi o que queria com muita dificuldade, porque a certa hora fica tudo bagunçado. Mas achei o que procurava. Nisso já tinha se passado 1:30h.
Procurei a fila do caixa que estava imeeeeeeeeensa.... Lá fiquei calmamente.
E o que a gente faz em fila? Repara os outros.
Juro que não vou reclamar de celular... mentira... só uma coisinha vou falar do celular: O bendito toca, você atende: "Quem?". E a segunda pergunta qual é? "Onde você está?". Acho que se eu tivesse um celular eu inventaria lugares inimagináveis pra responder, como por exemplo: "Estou à caminho de Marte", "Vou à casa do Zeca Pagodinho comer uma rabada" ou então: "Acabei de mandar meu motorista me levar à sua casa pra conversarmos". Será que seria grosseria de minha parte?
Mas voltando à loja... O que mais se via era mãe com filhos pequenos e senhorinhas. Casal de namorados vi uns 2 apenas. E pacotes, muitos pacotes.
Engraçado que a pessoa lotada de compras olhava pra fila e a reação era instantânea: "Ah não, não vou ficar aí não, não vou esperar, vai demorar muito...". E saía e daí meia hora voltava com mais compras e a fila no mesmo lugar. Quer dizer, se tivesse ido pra fila naquela hora teria andado uns 20 passos... hehehe
De repente encontro uma amiga de Faculdade que nunca mais tinha visto. Que saudades! Continuamos a mesma. Só o corpo que "encorpou" um pouco. Idade...
E crianças pra lá, pra cá... e mães gritando essas crianças pra ficarem quietas.
E a fila andava a passos lentos e eu ali aguentando firme.
Noutra ocasião eu passava mal, começava a suar e se persistisse até desmaiava. Pânico.
Se passassse de umas 20 pessoas pra mim já era lotado. Fiquei reparando as pessoas, ouvindo conversas, rindo dos micos, lembrando da Faculdade, dor nas costas, dor nos pés, fome, sede e a fila andava pouco.
No total fiquei na loja 4:00h mais ou menos. Mas saí feliz por ter conseguido ficar em lugar lotado sem entrar em paranóia. Ebaaaaaaa!
E lá vou eu pro ponto de ônibus com os pacotes. O meu ia demorar uns 20 min.
Aí a fome bateu, mas eu estava cansada e louca pra ir embora, entrar na minha casa e ficar em paz.
Mas sempre tem alguém que puxa conversa... e veio uma senhorinha... adoro senhorinhas...
Ela tinha uma falha nos dois dentes de baixo na frente. E era até engraçado porque você não sabe se presta atenção na boca dela ou se no que ela tá falando. Mas uma fofa!
Começou contar que não achou o presente... pro marido! Que lindo!
Queria comprar um pijama, mas não achou: "Sabe, o dele tá muito velho. E ele vai viajar pro congresso lá em Santa Catarina e não dá pra ele levar o dele que tá muito velho... E lá tá frio. Mas não achei, venderam tudo! Semana que vem eu volto e procuro. Hoje tá muito lotado!". Eu realmente adoro gente assim. Gente simples, que conta coisas sem te conhecer. Que diz tchau quando vai embora só porque falou meia dúzia de palavras. Adoro!!!
Bem, o ônibus chegou e minha linha não é daquelas que lotam. Fui tranquila e sentada.
Cheguei em casa sã e salva.
É, dona Clara, estamos progredindo! Ebaaaaaaaa!!!

P.S. Hoje é dia de Santo Antônio... coitado, deve tá louco com tanto pedido do povo!

domingo, 12 de junho de 2011

O amor é lindo...

Este ano eu não vou beijar na boca... Ahhhhh...
Mas vou contar do meu primeiro beijo. Eu tinha 13 anos, já era um "mulherão" com carinha de menina e era apaixonada por um rapaz mais velho, que prefiro não dizer o nome. Ele era baixinho, gordinho, moreno, umas coxas grossas e liiiiiiiiiindooooo. Tinha um chevete marrom. Naquela época era o carro do momento. Um dia, à noite, eu no lugar de costume junto com a minha turminha, lá estava ele todo lindo pra lá e pra cá. E do nada ele me chamou e perguntou se eu queria que me levasse pra casa. Geeeente, como assim? Claro que fui. E na despedida, ele segurou meu rosto, disse olhando nos meus olhos que a gente ia namorar e me lascou um beijaço. Acho que morri por uns instantes... Ele não sabia que era o primeiro. Inesquecível. Não namoramos. Foi só aquele beijo.
The End.
Será que alguém me conta o primeiro beijo? Tô curiosa...

E pra não perder o romantismo selecionei algumas cenas inesquecíveis de amor...

Uma linda mulher... Sonho quase impossível esse de encontrar um homem desse dando sopa....

Ghost... Essa cena ficou na história. A morte não separa quem ama...

Engraçadinha... Eu gosto daquela cena em que ela tira toda a roupa e fica na frente do carro de braços abertos pra ele, na chuva... ahhhhhh...

Titanic... Amores impossíveis... A morte chega sorrateira e acaba com tudo. Maldade.

Um lugar chamado Notting Hill... Quem nessa vida não se apaixonou por um artista que levante a mão!

Cidade dos anjos... É o meu filme preferido. Lindo. Mais uma vez a morte vem com tudo e só restou um momento a ser lembrado pra sempre. Lindo...

 City of Angels de Alanis Morissete é linda, linda, linda, linda...



"Que sentimento é esse que avassala nossa alma, nos abre uma cratera pra logo em seguida preencher com uma sensação indescritível, inimaginável. Loucura suprema, ternura, paixão, amor... desejo, vontade de olhar sem parar, pensar em mais nada, tocar nenhuma outra pele, beijar somente aquela boca, amar, amar, amar... e morrer por ele se preciso for... morrer de amor... enquanto dure..."

Clara

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Presente de grego...

Viva as diferenças!!!


Domingo é dia dos namorados... e eu vou passar mais um ano sem dar beijo na boca. Ok, tudo bem.
Muitos blogs já estão postando sobre o assunto, sobre presentes, sobre o que dar e o que não dar.
Vou contribuir, quer dizer, palpitar.

Flores -
É uma delícia ganhar flores, mas dia dos namorados não é dia de flores. Eu sugiro um único botão de rosa vermelho, que você pode entregar num jantar à dois, nem precisa ser com muita pompa. Pode ser o que o bolso puder pagar. O que importa é o gesto. Mas junto com o botão tem que ter um outro presente junto.
Sobre flores, eu palpito também que o homem dê durante o ano algumas flores, sem ser em datas específicas.
Quer amolecer o coração da moça? Surpreenda com essas gentilezas. Mas sempre e não somente quando brigar. Aí não há buquê que dê jeito.

Roupas -
Ou você leva a namorada junto pra escolher ou então revire a roupa e ache a numeração pra não dar o tamanho errado. Homem não tem muita noção de tamanho de roupa pra mulher. Se for lingerie, se quiser ousar, diga a ela que é pra usar nos momentos a dois. Talvez ela não vá gostar de tanta ousadia e pode até desconfiar não sei do quê. Mulher né, já viu... Mas nunca se esqueça da numeração. Peça ajuda à vendedora.

Sapatos - 
Uma coisa que nunca gostei foi ganhar sapato. Você sabe realmente o que a mulher gosta de usar? É melhor não.

Bolsa -
Também não acho legal.

Ursinho de pelúcia - 
Ai que lindo! Mas só pra adolescente.

Perfume - 
É um bom presente, mas saiba qual ela gosta. Tem os doces, amadeirados, cítricos, de homens. Se você souber de qual ela gosta, ok.

Bijouteria -
Eu não acho boa idéia.

Porta-retrato, apetrechos para decoração, enfeites -
Nem pensar!

Chocolate -
Lacta, Garoto, Especialidades Nestlé... nem pensar!
Se quer dar chocolate, que seja aquele que ela nunca comeu, com aquelas caixas parecendo porta-jóias, com os chocolates parecendo camafeus, todo desenhado, um de cada sabor... Hmmmmmmm!!!

CD/DVD -
Pode ser, mas em tempos de internet, talvez não seja tão interessante assim.

Jóia - 
Perfeito, nem que seja um solitário com brilhante verdadeiro, um brinco de pérolas, uma gargantilha com pingente. E tem as de prata que nem são tão caras assim. Não importa, jóia é jóia. Não sei se ainda existe isso mas no meu tempo de namoro o menino dava uma jóia enquanto o namoro durava. Se terminava tínhamos que devolver a jóia. Não era presente, era só um empréstimo. Aí não vale.

E pros meninos -
Homem é complicado dar presente, não tem muitas opções, mas mulher é bem mais criativa, sabe especular, fuxicar, pesquisar e quase sempre acerta.
Relógio, perfume, jóia eu acho que são os melhores. O que vocês acham?

Dia dos namorados é uma data romântica, pra se comemorar a dois, vale até um presente pra compartilhar no dia, não sei, um passeio, uma viagem, uma loucura num lugar exótico. Tudo vai da imaginação.

Bom fim de semana à todos e domingo eu volto com mais romantismo!!!

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Eu, a teimosa.

Piscina nesse frio? É só pra lembrar que daqui a pouco o calor chega...

Ainda criança, curiosa, autodidata, inquieta, tímida, destemida, ousada...
Meu pai finalmente ficou sócio do clube que ficava bem perto de casa. Ah, nem acreditei...
Todo fim de semana estava lá. Chegava bem cedinho e ia embora só de tarde...
Muitas piscinas, umas bem rasinhas pras crianças e outras fundas...
Mas as rasas não tinham graça nenhuma, água até a cintura? Ah, não, eu quero mais fundo!
Não sabia nadar, ainda... Então vamos lá aprender...
E fui sozinha, aprender... Ficava observando quem sabia e imitava no raso. Engolia muita água... ia lá no fundo e me desesperava, custei aprender a boiar, mas aprendi. Me lembro que dei um belo de um sorriso e repeti várias e várias vezes ali, sozinha, mas aprendi....
Já era um pouco maiorzinha e ia ao clube sozinha... Minha mãe só me dizia:
- Cuidado, não chegue perto da funda!
- Tá bom, não chego!
Que nada, nessa altura do campeonato eu pulava lá no meião dela... E era funda mesmo... Não dava pé... O fundo tinha uns 5 metros. E eu pulava lá e voltava boiando... Ah, não tem preço que pague isso...
Um belo dia, eu pulando lá no meio, no fundão mesmo, olho lá pra cima e minha mãe lá olhando... Gelei. Abaixei a cabeça e fui ao seu encontro:
- Menina, você não tem jeito mesmo... Quem te ensinou?
- Ninguém uai, aprendi sozinha, quer ver?
E numa corrida, pulei de novo e voltei à tona...
Daí em diante, nem preocupada minha mãe ficava mais.  Mesmo no dia em que eu desmaiei no clube... Afoita, fiquei o dia todo "brincando" e esqueci de comer, de beber, de ir ao banheiro... Acordei e todo mundo em cima de mim apavorado... E eu sem entender nada. Fui ao médico e o diagnóstico: começo de insolação. Juro! 
Fiquei adolescente e o que eu queria mesmo era me torrar no sol, com óleo de amêndoas com sementes de urucum, coca-cola, Rayto de Sol (do Paraguai), e o que mais aparecesse pra deixar a pele bem morena.
O processo era o seguinte: torrar, arder, formar bolhas, descascar, torrar, arder... durante todo o verão...
Saudades!!!

Olha que coisinha mais linda...

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Fenômeno


Eu gosto dele.... simples assim!!!

Boneca de verdade

Minha filha de 16 anos tem uma amiga da mesma idade que já é mãe!
Confesso que é medonho pra mim isso, mas não demonstro pra ela. Faço ela entender que isso acontece mas que podemos evitar e ter a hora certa pra decidir a maternidade.
Ela adora crianças assim como eu, mas graças à Deus tem uma ótima cabeça, amadureceu muito rápido e sabe o que quer. Um ponto pra mim.
Ela tem o namorado que é um bom moço, estudioso e que também é maduro pra idade que tem, 18.
Quando a amiga namorava, era muito baladeira, às vezes bebia muito, ia a lugares não recomendados e eu ficava insegura pela amizade das duas. Mas sempre aconselhando minha menina.
Um dia ela chegou a mim, e como sempre fez, me contou o que se passava com ela e com a amiga:
- Mãe, ela falou que quer ter um filho agora... Imagine, mãe, faz um mês que namora o cara e já tá querendo aprontar. O que vai ser da criança? O pai dela vai matar ela...
Outro ponto pra mim.
E eu com o coração na mão respondi:
- Não mata não, filha, eles vão ficar assustados, mas pela educação que ela tem eles vão ficar do lado dela.
Tremi na base de novo.
Imagine minha filha que é louca por criança querendo fazer o mesmo?
O máximo que fiz foi conversar muito, quer dizer, escutar muito, deixar ela falar, perguntar a ela o que achava e só dava minha opinião se me perguntasse. Deu certo até hoje.
- Pronto mãe, ela tá grávida mesmo. E tá morrendo de medo de contar pro pai. A mãe já sabe e chorou muito.
Um dia minha filha chegou em casa com os olhos vermelhos:
- Mãe, a gente tava junto e o celular dela tocou... Era o pai dela. Ela tremia tanto, depois começou a chorar... Disse que o pai ficou muito emocionado, quase não conseguiu falar e que a amava muito. Eu não aguentei e chorei junto com ela.
Minha filha puxou a mim... Adoramos crianças e somos manteigas derretidas.
E todo o dia que se encontravam minha filha me falava do ultrassom, das consultas, das batidas do coração... Tudo acompanhado pela internet... Até eu entrei na fila pra ver. Saudades de ter bebê.
Ela não parou de estudar e o mês passado nasceu o bebê.
Adivinhe se minha menina foi ao hospital vê-la... E levar presentes? E voltar chorando emocionada com o tamanziquico do bebê?
- Mãe, ele não tem cara de joelho! É lindo, fofo, muito, muito, muito lindo!
Claro que é lindo, todo bebê é lindo.
- Não, mãe, tem uns que são todos enrugados, inchados... Esse não, é lindo!
Eu entendo o que ela quer dizer... Amiga coruja.
Resultado: todos apaixonados pelo bebê, o pai da criança foi morar com a menina e parece até que tomou juízo. Parou de ir à baladas, trabalha e estuda e tá babando como todo pai apaixonado.
Toda vez que minha filha vai visitar a amiga, fica um tempão me contando do bebê. E eu pacientemente escuto com toda a atenção.
Pronto, acho que passou o sufoco de mãe. Que eu tenha as palavras certas pra passar pra minha menina sempre... Que ela tenha objetivos e que saiba correr atrás deles e priorizar o que for melhor pra ela.
Eu acho que está dando certo. Mais um ponto pra mim.
Ela está evoluindo como pessoa, daqui a pouco vem a Faculdade que ela já decidiu o que fazer e... determinada, teimosa, bocuda, topetuda, linda, um mulherão pra idade dela.
E muito, muito amada!
Obrigada, meu Deus!
Amém!


Tem uns e outros por aí que fazem piada disto... Ignorantes! Esquecem que são homens e foram paridos por mulheres. Ou será que nasceram do pó?
Minha contribuição ao mamaço. Não tem preço que pague o prazer de amamentar.

terça-feira, 7 de junho de 2011

Aladin pra loira...




Melanie era uma mulher até bonita: loira, olhos verdes, estatura média, gordinha mas gostosa. Até chamava a atenção dos homens nas ruas. Mas era casada.
E casamento de 23 anos a gente sabe como é - não tem toda aquela empolgação toda. Mas apesar de saber de todas as traições do marido, era feliz como podia. Não ficava procurando pra não achar - senão tinha que tomar providências, e ela tinha preguiça disso:
- Ah, deixa ele, daqui à pouco ele não dá mais no coro mesmo...
Um dia, andando pela avenida, fazendo a caminhada matinal, deserto, sem alma viva por perto, chutou um objeto...
E esse objeto começou a brilhar na sua frente: era um lâmpada igual aquela de Aladin.
Curiosa que só, pegou e começou a limpá-la.
E como era a lâmpada de Aladin, saiu o gênio de dentro...
- Eu tenho só 3 minutos pra atender a senhora.
- São 3 pedidos. Mas tudo o que a senhora pedir, seu marido terá 10 vezes mais.
E Melanie, sem piscar começou:
- Eu quero ficar linda, deslumbrante, que meu viço e minha juventude não acabe nunca
Feito.
- Eu quero ser rica, podre de rica, que meu dinheiro por mais que eu gaste, não acabe nunca
Feito.
- Eu quero ter um enfarte bem pequenininho, bem fraquinho, quase imperceptível.
Feito.
The End.

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Os meus cabelos

Os meus cabelos são comuns, agora com 4 fios brancos que achei e escondo na tintura. Da mesma cor, castanho claro, que eu mesmo aplico.
Eu nunca tive muita paciência pra frequentar salão de beleza. Toda mulher precisa se cuidar, mas ô coisa chata ficar sentada em salão de beleza.
A melhor coisa é o papo, divertido, mas chega uma hora que cansa a beleza da gente.
Primeiro você marca hora e nunca é atendida naquela hora. Sempre, sempre, sempre atrasa... umas duas horas até você ser atendida. A não ser que não seja num sábado, no dia de "pico" das meninas.
Se tiver compromisso como casamento, então, deusolivre. Elas sempre encaixam gente onde não tem horário e esses encaixes sempre são antes de você.
Estou falando isso sem generalizar, mas até hoje, em todos salões que fui, o procedimento é o mesmo.
As meninas são sempre simpáticas, atenciosas, alegres e afins.
Imagine um bando de mulheres todas falando ao mesmo tempo... Nem eu aguento.
Desde sempre acostumei fazer tudo sozinha, quer dizer, quase tudo. Unha, cabelo... Cortar cabelo e depilação é que não dá. Não dá porque não alcanço.
Unha, acho que nunca fiz em manicure... mentira, fiz sim, e todas as vezes elas arrancam bifes de meus dedos. E também tenho alergia a esmalte. Então tenho que usar o antialérgico. E lá nunca tem.
Não tenho muita paciência. Às vezes elas nunca fazem o que a gente pede. Fazem do gosto delas e dá vontade de enfiar a cabeça debaixo do chuveiro. Mas jogar dinheiro fora não é comigo.
Eu não gosto de coisas comuns, apesar de ter uma aparência comum, nem de coisas certinhas, apesar de meus cabelos serem normais. O que eu digo, é que elas fazem de um jeito que parece que colocaram cola nos cabelos pra eles não se moverem nem com bomba atômica. É o trabalho delas, a tecnologia... Acho que é falta de costume ou enjoamento meu. Enjoamento, é isso, eu sou enjoada com muita coisa. Eu não consigo ficar muito tempo em uma única atividade, a não ser meu trabalho, fora isso eu gosto de variar. Mas é o meu jeito. Esquisita!
Agora minha filha escolheu como profissão "Estética". Pronto, resolvi meu problema. Quando ela se formar,  já me conhece e vai fazer do jeito que eu gosto. Coitada! Lá vou eu explorar a filha!

E por falar em filha, olha as mãos dela que lindas! Ela mesma que faz...

domingo, 5 de junho de 2011

Pudim



3 ovos
1 lata de leite condensado
a mesma medida de leite
Bata no liquidificador, coloque em forma caramelizada e eu coloco em panela de pressão (aquelas grandes) pra ir mais rápido. 20 min. O gás acabou nos 5 min.
Pra esfriar rápido coloco a forma numa bacia com gelo. Depois desenformo e coloco uns minutos no congelador pra esfriar mais rápido ainda. Pronto!

Genteeeeee, nem tudo tá perdido! FUI EU QUE FIZ! E não desmoronou como de costume! E ficou uma delícia! E ficou cheio de buraquinhos! E já tá quase acabando! E hoje é domingo e domingo pode!

Bom domingo pra todos... Bem açucarado...

Super Mário

Canção de vidro
E nada vibrou...
Não se ouviu nada...
Nada...
Mas o cristal nunca mais deu o mesmo som.
Cala, amigo...
Cuidado, amiga...
Uma palavra só
Pode tudo perder para sempre...
E é tão puro o silêncio agora!
***
Carreto
Amar é mudar a alma de casa.
***
Epílogo
Não, o melhor é não falares, não explicares coisa alguma. Tudo agora está suspenso. Nada aguenta mais nada. E sabe Deus o que é que desencadeia as catástrofes, o que é que derruba um castelo de cartas! Não se sabe... Umas vezes passa uma avalanche e não morre uma mosca... Outras vezes senta uma mosca e desaba uma cidade.
***
Das utopias
Se as coisas são inatingíveis... ora!
Não é motivo pra não querê-las...
Que tristes os caminhos, se não fora
A mágica presença das estrelas!
***
Imaginação
A imaginação é a memória que enlouqueceu.
***
O disfarce
Cansado da sua beleza Angélica, o Anjo vivia ensaiando caretas diante do espelho. Até que conseguiu a obra-prima do horror. Veio, assim, dar uma volta pela Terra. E Lili, a primeira meninazinha que o avistou, pôe-se a gritar da porta pra dentro da casa: "Mamãe! Mamãe! Vem ver como o Frankenstein está bonito hoje!".
***
O outro mundo
Por favor, deixa o Outro Mundo em paz! O mistério está aqui.
***
A construção
Eles ergueram a Torre de Babel
Para escalar o céu,
Mas Deus não estava lá!
Estava ali mesmo, entre eles,
Ajudando a construir a torre.
***
Bilhete
Se tu me amas, ama-me baixinho
Não o grite de cima dos telhados
Deixa em paz os passarinhos
Deixa em paz a mim!
Se me queres,
enfim,
tem que ser bem devagarinho, Amada,
que a vida é breve, e o amor mais breve ainda.
***
Os degraus
Não desças os degraus do sonho
Para não despertar os monstros.
Não subas aos sótãos - onde 
Os deuses, por trás das suas máscaras,
Ocultam o próprio enigma.
Não desças, não subas, fica.
O mistério está é na tua vida!
E é um sonho louco este nosso mundo...


Mário Quintana... simples assim!


sexta-feira, 3 de junho de 2011

Nota

Pode ter acontecido de alguns comentários terem sido eliminados.
Na verdade eles nem foram pra minha caixa de aprovação e nem de spam.
Então pode parecer que eu não autorizei.
Segundo o blogger, minha caixa de comentários está dando um pequeno erro que espero que resolva o mais rápido possível.
E peço desculpas se aconteceu com você que gentilmente comentou no blog.
Beijos a todos, bom fim de semana!
Juizo!!!

As vantagens de ser mulher...



Por Duda Schneider
Fotos do mural aqui

As Vantagens De Ser Mulher..!!!
* Não broxamos.
* Temos um dia internacional.
* Sentar de pernas cruzadas não dói.
* Se matarmos alguém e provarmos que foi na TPM, temos atenuante.
* Sempre sabemos que o filho é nosso.. hahaha rachei de rir agora
* Temos 4 meses de licença maternidade.
* Podemos dormir com uma amiga sem ser chamada de lésbica.
* Podemos usar tanto rosa como azul.
* Temos prioridade em boates ou em qualquer lugar.
* Não pagamos a conta, no máximo rachamos.. :D
* A programação da TV é 90% voltada para nós.
* Podemos ficar excitadas sem ninguém perceber.
* Se somos traídas somos vítimas, se traímos eles são cornos.
* Exame ginecológico é mais agradável que exame de próstata.
* Se resolvemos exercer profissões predominantes masculinas, somos pioneiras,mas se um homem exerce profissão tipicamente feminina é bicha.
* Nosso cérebro dá conta de vários serviços, mesmo com 3 bilhões de neurônios a menos, ou seja, nossos neurônios são mais eficientes.
* E por último: fazemos tudo que um homem faz , só que com um detalhe:
DE SALTO ALTO..!!



Quem indicou foi a amiga Daniela Boroni. 
Obrigada!

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Acabou o gás

Gente, olha isso... Engorda só de olhar.

O gás acaba sempre que eu estou cozinhando (?!) Mas é lógico!
Então eu falo o seguinte: eu aprendi que quando a chama está amarelada e a panela começa a ficar marcada de preto é sinal que o gás está acabando. E já faz mais de um mês que a chama está amarelada e o gás ainda não acabou.
Mas eu sei porque: ele está esperando eu fazer bolo pra ele acabar. Sempre acontece isso.
Eu já falei outras vezes que cozinha não é a minha praia. Mas eu tenho que cozinhar todos os dias. E de vez em quando eu arrisco fazer um bolo.
Faz uns 20 anos que eu cozinho e nunca, NUNCA o bolo fica igual um do outro. Os que eu realmente acertei foram uns 5. De resto... É o resto!
Os primeiros ficavam comíveis... mas horríveis. Acho que comiam pra não fazer desfeita. Com o tempo foram melhorando.
Mas chega a ser piada. Eu faço com todo o carinho, toda a atenção, mas... ou ele não cresce, ou forma um buraco no meio, ou fica grudento, ou a massa cresce demais e ele cai da forma, etc.
Pode vir aqui do meu lado, o chef mais especialista do mundo que não sai.
Esses dias eu até fiz um bom. Ficou fofinho, gostoso, aerado... Pronto, nunca mais!
Deve ser alguma coisa que tem em minhas mãos que não dá pra coisa. Não sei.
E mesmo eu comprando aquela massa pronta ele sai do ponto e esborracha todo.
Minha filha, pra me consolar, fala que fica bom mesmo ele despencado. Mas eu vejo os bolos dos outros e sei que o meu é ruim.
Pôxa vida, minha mãe era boleira... E eu passei bem longe dela.
Na verdade eu não tenho nenhuma paciência.
Mas os meninos já estão me cobrando o bolo e eu fico com medo de fazer e o gás acabar. É claro que ele vai acabar quando o bolo estiver lindo no forno.
Bolo de cenoura é o mais fácil de fazer. Coloco calda de chocolate e fica bom. Fica bom e não "Ai, que delícia". Acho que esse eu nunca fiz.
O de fubá também fica bom. O de laranja também. Mas eu queria ter aquela mão que faz bolo em cinco minutos, mistura uma coisa aqui, outra ali, coloca no forno e ele cresce fofinho, cheiroso...
Já me conformei, mas fico triste. Imagine quando eu tiver netos? Todo mundo adora o bolo da vovó e eu vou ser uma vovó que não sabe fazer bolo. Vou fazer o quê?
Nem adianta. Qualquer receita, qualquer dica, qualquer ajuda, se eu colocar a mão, pronto! Lá se vai o "Ai, que delícia".
Mas sabe o que eu realmente gosto do bolo? Da massa crua. Gente, eu adoro massa crua de bolo. E meus filhos também. Quando acontece de fazer um, fica uma disputa quem vai rapar a vasilha. Tem que dividir uma rapada de colher pra cada um. Essa é a parte boa de fazer bolo ruim. A gente já ri antes do bolo sair do forno.
E minha filha sabe fazer bolo bom, uma delícia. Quer dizer, quando ela tiver os filhos dela minha cara vai cair no chão mesmo. Fazer o quê? Coisas da vida!