amazon

amazon
amazon - clique na imagem

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Rabit


Participando da Blogagem Coletiva do Blog A Vitrine dos Sonhos - 1ª Edição - Era Uma Vez.
Quem vem junto? Gostam de contar histórias?

      Era uma vez, uma menina que vivia no Castelo Mindus, em Jordão, um pequeno vilarejo.  Rabit era uma menina tímida, filha de uma mucama que ajudava a princesa Sophia, filha da rainha Ester. O rei, Leopoldo, havia falecido há pouco e como não tinham filhos homens, Sophia era a responsável pela boa ordem no Vilarejo.

      Rabit vivia pelos cantos, espiando todos os passos de Sophia e ficava imitando-a nos trejeitos, andando nas pontas dos pés, como se estivesse de salto alto. Pegava uns trapos e amarrava-os na cintura, imitando vários saiotes, como os de Sophia. Com uns restos de pergaminho, recortou com todo o cuidado, colou pedrinhas e fez uma coroa, que colocava majestosamente em sua cabeça e desfilava pelos corredores vazios do Castelo Mindus. Não podia ser vista, pois temia represália de sua mãe.

      Rabit cresceu, ficou linda e aprendeu a ler e a escrever. Porém, não tinha recursos para ter roupas e sapatos maravilhosos e brilhantes como os de Sophia. Continuava observando a princesa, pelos cantos, e imitava-a, toda orgulhosa. Seus cabelos ruivos e cacheados caíam majestosos sobre os ombros, descendo como cascata até à cintura, como se fossem molas se abrindo e fechando. Ainda tinha a coroa feita com pedaços de pergaminho, que guardava com todo o cuidado num lugar secreto.

      Um dia, Sophia percebendo o olhar curioso de Rabit, chamou-a até seu quarto, abriu seu armário, tirou alguns vestidos e deu-os a ela. Depois pegou um par de sapatos de salto alto, todo cravejado de pedras brilhantes e também deu-o para Rabit. Ela não aceitou, claro, mas seus olhos brilharam tanto ou mais do que aquelas pedras. Inconformada pela desfeita, chamou a mãe da moça, sua mucama, e disse que aceitasse as roupas, como presente, para Rabit. A mãe sem jeito, sempre de cabeça baixa, também disse que não podia aceitar, pois eram roupas caras e sua Rabit não tinha o costume de usar tanto luxo. Sophia juntou tudo e colocou nos braços de Rabit e disse que era presente e não podia recusar, pois era a princesa do castelo.

      Rabit e sua mãe, encantadas, saíram do quarto de Sophia, mal fecharam a porta e correram para os aposentos da mucama. Rapidamente Rabit se despiu e experimentou um a um os vestidos e colocou os sapatos brilhantes.

      Como não tinha o costume de usar saltos andou com dificuldade, mas depois de muitos treinos conseguiu desfilar elegantemente nos corredores vazios do castelo. A coroa não mais lhe cabia, o que a deixou triste, mas as roupas lhe fizeram formosa, e os sapatos lhe levavam às alturas. Imponente, linda e bem-vestida. Estava pronta para frequentar os bailes do Castelo Mindus e arrumar um pretendente. Já estava na idade de formar sua própria família.

      E foi o que aconteceu, Rabit foi ao baile, muitos olhos curiosos querendo saber quem era a moça ruiva com cachos em forma de cascata e logo foi cortejada por um príncipe de um outro vilarejo. Se encantaram um pelo outro, se casaram e Rabit foi ser a princesa do Castelo de Duane, com seu príncipe encantado.

      O Castelo de Duane não era tão formoso como o de Sophia, nem tinha corredores desertos e nem centenas de quartos ou salão de festas. Rabit não teria o luxo de ter sua mucama e nem condições de encher os aposentos com lindos vestidos e sapatos brilhantes, mas Robert, seu príncipe, era um príncipe apaixonado e tratava-a como como uma rainha. E viveram felizes para sempre.

      Fim.


24 comentários:

  1. Que lindo!!E que bom esse final de conto de fadas!!beijos,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conto de fadas com final feliz, bem mamão com açúcar! rsrs

      Excluir
  2. Obrigadão pelo carinho e não tem atrasos, sempre é tempo!res beijos,chica

    ResponderExcluir
  3. Clara,sempre ótimas as histórias que vc escreve! Adorei esse conto de fadas! bjs,

    ResponderExcluir
  4. Oi Clara Luz!
    Viajei na sua história, o bom das fábulas é que tudo acaba bem no final. Bem que a vida poderia ter pitadas de fábulas e contos de fadas nê?
    Vou zzzzzzzzzzzzz mimi.
    Tenha sonhos encantadores!

    Bjãooooooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hoje, daqui a pouco, eu é que vou mimi! rsrsrsrs
      Também acho que a vida deveria nos presentear de vez em quando...
      Beijos, lindos sonhos pra vc também!

      Excluir
  5. Oi Clara! Essa menina teve uma sorte hein? Sophia mostrou que tinha bom coração! Adorei sua fábula! Ah! Em tempo: Rabit encontrou o maior de todos os tesouros: o amor incondicional de seu príncipe. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um príncipe que não era e nem será um sapo. Será que existe, Roseli? rsrsrs

      Beijos

      Excluir
  6. Menina que lindoooo amei o conto parabéns!!!! Isso que importa o amor verdadeiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tão em falta hoje, né, Patrícia, e um final feliz é que muita gente gosta.
      Beijos

      Excluir
  7. Rabit e Robert, mesmo não tendo tanto luxo, com certeza serão felizes para sempre
    Escrevestes lindamente, mais uma vez, Clara
    Beijinhos de
    Verena e Bichinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, esse príncipe é daqueles que valem a pena. Rabit será muito feliz, pra sempre!
      Beijos, Verena e Bichinos

      Excluir
  8. Que amor, Clara, um conto de fadas verdadeiro com um final muito feliz. Muito bom, voltei à infância e me deliciei! Parabéns pelo conto. Bjs. Marli

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marli, nunca gostei muito de contos de fadas, mas gostei de escrever. Só não gosto daqueles príncipes engomadinhos... Aquela época dos contos de fadas me fascina!
      Beijos

      Excluir
  9. Legal, gosto de finais felizes também. Principalmente em contos de fadas sem fadas!
    Não gosto de fadas, são muito parciais.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não gosto de príncipes... são muito lerdos, engomadinhos, chatos!!! rsrsrs

      Beijos

      Excluir
  10. Se a vida fosse assim simples, como nos contos de fada, querida... Que ao menos as histórias tenham assim finais felizes, preto no branco, felizes para sempre e ponto final, hehe.
    Claríssima, passa lá n'O Berço que há notícias quentinhas... curiosa?
    Muitos beijinhos, já cheira a Natal, trá lá lá
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que depois desses finais felizes é que a vida começa a complicar... Convivência não é fácil e contos de fadas são só lindas no papel.

      Obrigada, querida, amei tudo no seu blog!
      Beijos

      Excluir
  11. Oi Clara, gosto de modo de escrever. Sobretudo, de vc trazer personagens inquietas, de alma indomável. Uma marca sua nos seus contos.
    Abração minha linda!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabe que não tinha reparado nesse detalhe? E é verdade mesmo... mulheres sempre inquietas e donas de si, desde sempre.

      Abraços, menina linda!

      Excluir
  12. Linda a história...quem dera se pudéssemos viver isso na mesma intensidade...
    O conto de fadas faz até a gente sonhar...parabéns iniciativa criativa que deixa nosso dia muito melhor!!! Qual mulher nunca se sentiu em um conto de fadas desse?
    Bjão!!!!

    ResponderExcluir
  13. Linda história de amor. Adorei ler e claro mais ainda o final feliz.
    Beijos

    ResponderExcluir

Olá, seja bem vindo e deixe seu comentário!

Eu os responderei por aqui mesmo ou por email, se achar necessário.

São muito bem-vindos, sempre!