quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Em outras vidas - III parte

Continuação...

primeira parte
segunda parte

Mariana se aborreceu muito com a presença daquela cigana e preferiu ir embora. Rafael a acompanhou até o portão e foi embora.
Chegando em casa, mais uma vez sua mãe chorando muito, as irmãs mais novas tentando consolá-la, em vão, mas bastou Rafael chegar para que a mãe ficasse mais calma.
Sentaram na sala para assistir um filme, uma comédia, para assim distrair a mãe. Esta até riu, mas se continha, com medo de estar cometendo um pecado. Rafael  a incentivou a rir muito e, aos poucos, Dona Alzira foi se soltando numa gargalhada gostosa e longa.
Os dias se passaram, Rafael e Mariana cada vez mais apaixonados. A simplicidade, a meiguice e o jeito discreto de Mariana encantavam cada vez mais Rafael. "É amor!", repetia ele.
Como sempre se sentaram no banco, começaram a namorar carinhosamente e quando olham para frente, está ali a cigana com aquele sorriso simpático.
Rafael nem esperou que ela lhe pedisse a mão e já a estendeu.
- Nem preciso ler que você está numa ótima fase. O sofrimento aos poucos vai embora e você vai ter uma grande alegria... Mas uma tristeza imensa ainda ronda sua vida, com esse corte do amor.
Rafael insistiu para que Mariana lhe mostrasse a mão e mais uma vez ela negou e ficou irritada, se levantou e foi embora.
- Mariana, o que foi? Por que ficou tão irritada com a cigana? O que ela lhe fez? Deixa ela ler sua mão... que mal tem nisso? Tá com medo de quê?
- Eu não gosto dessa mulher! Me deixa!
Depois disso não voltaram mais a sentar na pracinha, por causa da cigana que Mariana insistia que era perseguição à ela.
O namoro dos dois era uma delícia e com o passar do tempo, já programavam até um casamento.
A mãe de Rafael, agora melhor, mais conformada com a viuvez, incentivava os dois namorados a oficializarem tudo.
Um dia, caminhando pela rua da casa de Mariana, aparece a cigana, com aquela cara de "hoje você não me escapa". Mariana começou a chorar, mas cedeu a mão à cigana, que olhando, a fixou no olho um bom tempo, soltou a mão e foi embora. Rafael nada entendeu, mas sentiu um arrepio estranho.
Mariana o abraçou e chorou muito.
Rafael a levou para casa e lhe preparou um chá de camomila. Mariana chorava tanto que parecia ficar transparente quando as lágrimas desciam pelo seu rosto, e as mãos ficavam geladas. Tomou o rosto de Rafael com as mãos e disse:
- Rafael, eu te amo tanto, desde sempre... Aconteça o que acontecer, não se esqueça disso... Eu te amo!
- Mariana, você está me assustando! O que foi? O que a cigana viu em sua mão? O que você está me escondendo? Me diz, por favor?
Mariana apenas continuou abraçada e chorou muito.
Rafael voltou para casa indignado e sem entender nada.

Continua...

13 comentários:

  1. E era difícil mesmo pra ele entender...Lindo e vamos acompanhando...beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Clara, que legal a idéia de publicar um conto assim em capítulos...resgata uma idéia antiga mas muito interessante...estou adorando, parabéns.
    Bjos.
    Sílvia

    ResponderExcluir
  3. E segue o mistério bem escondido neste véu de lágrimas que verte Mariana.
    Que segredos a afligem tanto?Poderá Rafael compreendê-la?E, porque a cigana insiste em desvendar as linhas da vida da moça?
    Tchan, tchan, tchan...aguardo o próximo capítulo.
    Bjos Clarinha,
    Calu

    ResponderExcluir
  4. Oi,
    tudo de bom é essa história. Li as três partes agora e amei!
    doida pelo próximo capítulo!
    Beijos
    Chris
    http://inventandocomamamae.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Clara, que legal esses posts, contos em capítulos!

    Pq chora tanto essa Mariana??? cade o resto do conto???olha a nossa ansiedade, respeite! rs

    bom dia querida amiga!

    ResponderExcluir
  6. Suas historias parecem reais. Ou seja, voce é uma otima contista. Acho que nao é a primeira vez que falo isso aqui. Parabens! A tal da cigana apavorou Mariana.. ahdanada!
    Beijao

    ResponderExcluir
  7. Oi Clara , que beleza esse capitulo. Gosto de ler história contada assim dessa forma que deixa mistérios, e romance no ar.Você é uma ótima contista.Desejo que Mariana e Rafael tenha final feliz, e que essa cigana saia do caminho deles. Voltarei pra ler o próximo capitulo. Beijos e ótimo fim de semana.

    ResponderExcluir
  8. Lembrei de uma musica.. samba juliana... agora é
    chora mariana kkkkkkk

    ResponderExcluir
  9. Olá Clara! Realmente essa ideia lembra muito as histórias publicadas em jornais antigamente.

    Muito legal essa ideia!

    Abração!

    ResponderExcluir
  10. Muito, muito bom!
    Vc me fez lembrar um momento meu muito pessoal, mas que me deu vontade de dividir contigo e com todos que me lerem... Eu amo essas coisas de cigano, tarô, runas, leitura de íris e afins... Embora, não queira mais saber de meu destino antes de acontecer... Mas enfim! O que quero te contar é que essa sua história me fez lembrar muito que dias antes de eu sofrer o acidente de carro que já comentei algumas vezes em meu Cantinho, uma mulher que fazia a leitura da íris, me pegou na rua, perto de meu trabalho da época, e insistiu muito para ler a minha, achei tão inusitado e eu poderia lhe oferecer qq valor que acabei aceitando... E ela me falou que muito em breve eu iria me ver envolvida com um homem que vestia branco, com pessoas que trabalhavam com a cor branca... Na época eu estava saindo com um rapaz que tinha uma empresa de produtos para hospital que achei que fosse isso... Mas entre outras coisas que ela falou, dias depois entendi que a mensagem cifrada dela queria dizer do meu acidente... Achei sinistro! Ahhhh sinistro aqui no RJ pode querer dizer tb: legal. Hahahahahahaha Beijo, beijoooo

    ResponderExcluir
  11. Oi Clara...
    Adorei seus contos em capítulo...Voltarei para acompanhar...
    Beijos!
    San...

    ResponderExcluir
  12. O suspensório está bão demais,Clara!Vou ler a continuidade...rss...bjs,

    ResponderExcluir

Olá, seja bem vindo e deixe seu comentário!

Eu os responderei por aqui mesmo ou por email, se achar necessário.

São muito bem-vindos, sempre!