amazon

amazon
amazon - clique na imagem

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Sozinha na Multidão


Chego à conclusão de é comum, como na imagem, se sentir sozinha na multidão. Não é ruim, cada um tem sua vida, suas coisas para fazer, sua família para cuidar e ainda ficar se preocupando com quem aparentemente está bem, é impossível.

Como já disse no post sobre como superei a depressão, tudo começou a melhorar, dia a dia, uma coisa de cada vez, com paciência.

Mudei de emprego e o que eu tenho escutado das pessoas é que já era tempo de fazer isso, de sair mais de casa, ver gente, conhecer, respirar novos ares... Enfim...

Concordo com todas elas porque isso é bom. Aí fico me perguntando e para algumas até fiz a mesma pergunta: sabem o que eu passei nesse tempo todo? Onde estavam que não vieram me falar isso há anos quando eu mais precisava de um apoio? Sabem das dificuldades que tive até então? Sabem o motivo pelo qual não saía de casa, não arrumava outro emprego?

Não, não sabem porque eu nunca contei. Acho que desde sempre aprendi a me virar sozinha e agora ter que compartilhar algo com os outros é difícil. Tenho a sensação de que contando ou lamentando estou reclamando além da conta. Não gosto de ficar lamentando ou reclamando. Há um gasto de energia desnecessário, tempo desperdiçado, amolação aos ouvidos dos outros...

Antes, bem antes, eu até ficaria magoada ou triste com essas pessoas, mas aprendi a conviver com tudo e com todos. Eu também sou assim. Quem sabe alguém próximo passa por situação e eu nem me dei conta? Não temos bola de cristal e nem o dom de ler a mente das pessoas, então ficamos achando que tudo está bem e que a vida do outro é sempre melhor que a nossa. É a vida... São as pessoas, cada um com seu cada qual.

Sábado, no Altas Horas, vendo Pe.Fábio de Melo, mais uma vez ele repetiu uma frase que me marcou muito e que concordo plenamente: "Eu me conheço e os outros me imaginam".

É bem por aí mesmo. Só nós para nos conhecermos. Mesmo nos expondo de alguma forma ninguém saberá o que se passa em nossa vida ou em nossa mente.

Que julguem, que falem, que comentem, que inventem... Que me importa?

E para concluir, um pedaço do texto de Madre Teresa de Calcutá:

"No final verá que é entre você e Deus. Nunca será entre você e os outros."

Uma ótima semana a todos!


11 comentários:

  1. A madre Tereza estava certíssima! O resto? Bem... o resto é o resto!!!

    Beijuxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx...

    KK

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, o resto é resto! E não é da nossa conta! hehehehehehe
      Beijos, KK!!!

      Excluir
  2. Muito legal e acertado.Não podemos ficar nos queixando por aí!! Só se não aguentamos mais, aí vale e ainda assim, com pessoas escolhidas...Frase certíssima! bjs praianos,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho a impressão que até Deus se cansa de gente que só sabe reclamar... uma chatice sem tamanho! rsrsrs

      Beijos, gaúcha!

      Excluir
  3. É isso aí, Clara
    Só Deus sabe o que realmente se passa conosco
    Desabafar é bom
    Podes contar sempre comigo
    Uma boa semana para tí
    Beijinhos de
    Verena e Bichinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho meus bichinhos aqui, Verena, que me dão um ânimo fora do normal. Eu falo, eles ficam me olhando, abanando o rabinho... umas graças! O maior antidepressivo do mundo!
      Beijos, menina!

      Excluir
  4. Concordo...Só nós para nos conhecermos...Mesmo nos expondo, de alguma forma, ninguém saberá o que se passa em nossa vida ou em nossa mente...
    Beijo.
    Nita

    ResponderExcluir
  5. Clara, muito bom este post. Concordo inteiramente com você acerca de reclamações. Não há nada mais chato do que gente mimizenta. Afasta todo mundo e só fica perto quem tem veia masoquista. rs.
    Penso que muitas pessoas acreditam que o maior problema do mundo é o delas, que ninguém tem problemas, que são vítimas de tudo, quando, em verdade, para sair do fundo do poço, basta uma tentativa e força de vontade. O grande problema de muitos depressivos, é que acabam por adaptar-se à depressão (principalmente os que exteriorizam) pois a doença traz uma estranha forma de comodismo, de consolo, de desculpas para não ter que agir.
    Lógico que não estou referindo-me ao seu caso, pois aqui descreves o oposto. Apenas divaguei no tanto de pessoas "depressivas" com as quais já me deparei e pareciam que gostavam, que tinham até um certo "orgulho" mórbido de comentar e "ostentar" tal distúrbio. Algumas pessoas vivem em um mundo estranho...
    Abraço parceira e boa terça!

    ResponderExcluir
  6. Claríssima, essa frase da Madre Teresa meio que norteia a minha vida. Nunca a perco de vista. Agora vou anotar essa do Pe. Fábio de Melo, pois é boa tb!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  7. Oi Clara, quando vi o Pe. Fábio no Altas Horas, lembrei-me de ti Rss

    Abraços

    ResponderExcluir
  8. Oi Clara, acho que cheguei até a te convidar p/ vir pescar no rio Tocantins rsrsrsrsr, pensava até que vc fosse me mandar p/ aquele lugar, como Pe. falou, só imaginei rs. Fico muito feliz em saber que é coisa do passado, vou ler o link do texto mais tarde... Sabe aquela simpatia a primeira linkada rsrsrsr, pois, acho vc muito honesta com seus sentimentos, e de quebra escreve maravilhosamente bem!

    Bjõessss

    ResponderExcluir

Olá, seja bem vindo e deixe seu comentário!

Eu os responderei por aqui mesmo ou por email, se achar necessário.

São muito bem-vindos, sempre!