segunda-feira, 13 de setembro de 2021

SETEMBRO AMARELO

 


Só ouvir, sem julgar...

Sem querer resolver os problemas da pessoa...

Sem enfiar sua história na história da pessoa...

A vida não é bela pra pessoa nesse momento...

A dor é mais forte do que tentar ser feliz...

Só ouvir, e saiba que você não vai conseguir tapar o buraco no peito da pessoa...

Não, a pessoa não quer passear com os amigos...

Beber e rir não vai mudar nada nesse momento...

Passar batom e perfume? Esquece...

Só ouvir... A pessoa talvez não diga nada, então só seja presente nesse momento...

Ler o livro tal? Esquece.

Conselhos? Esquece.

Chocolates? Esquece.

Frescura? 

Fraqueza?

Covardia?

Orgulho?


A dor de quem não tem mais vontade de viver é tão grande que no momento não existe nada, absolutamente nada e nem ninguém que supere essa dor.

Se conhece alguém com sintomas, pegue em sua mão e leve a um profissional, além de, é claro, ouvir, apenas ouvir e abraçar.

Seja presente.


Clara Lúcia

4 comentários:

  1. Verdades tantas e tão bem ditas aquyi! Adorei ler! beijos, chica

    ResponderExcluir
  2. Boa noite de paz, querida amiga Clara!
    O mês onde se faz menção ao número crescente dos suicidios ... Precisa ser tomado a sério.
    Há ignorantes que desconhecem que não é "frescura"...
    Que Deus cuide do coração dos desanimados!
    Os motivos só Ele sabe. Não devemos julgar ninguém. A dor é pessoal e cada um a gere com uma intensidade e potencialidade.
    Muito bom o texto.
    Tenha dias abençoados!
    Beijinhos com carinho de gratidão

    ResponderExcluir
  3. Oi, Clara!
    Todo sentimento represado potencializa, a dor fica mais doída! Chorar muitas vezes se torna impossível. A secura da alma, a falta de lágrimas é sintomática. Se conseguimos que alguém nessa situação comece a falar, as comportas se abrem. Necessário entender que a dor do outro pode ser destrutiva e não uma frescura, como os incautos se referir.
    Beijus,

    ResponderExcluir

Olá, seja bem vindo e deixe seu comentário!

Eu os responderei por aqui mesmo ou por email, se achar necessário.

São muito bem-vindos, sempre!