amazon

amazon
amazon - clique na imagem

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Um Fiapo de O Tempo e o Vento


      Toda a gente tinha achado estranha a maneira como o capitão Rodrigo Cambará entrara na vila de Santa Fé. Um dia chegou a cavalo, vindo ninguém sabia de onde, com o chapéu de barbicacho puxado para a nuca, a bela cabeça de macho altivamente erguida, e aquele seu olhar de gavião que irritava e ao mesmo tempo fascinava as pessoas. Devia andar lá pelo meio da casa dos trinta, montava um alazão, trazia bombachas claras, botas com chilenas de prata e o busto musculoso apertado num dólmã militar azul, com gola vermelha e botões de metal. 

Tinha um violão a tiracolo; sua espada, apresilhada aos arreios, rebrilhava ao sol daquela tarde de outubro de 1828 e o lenço encarnado que trazia ao pescoço esvoaçava no ar como uma bandeira. Apeou na frente da venda do Nicolau, amarrou o alazão no tronco dum cinamomo, entrou arrastando as esporas, batendo na coxa direita com o rebenque, e foi logo gritando, assim com ar de velho conhecido: 


– Buenas e me espalho! Nos pequenos dou de prancha e nos grandes dou de talho! 

– Pois dê. 

Um pouco de Érico Veríssimo. Um trecho do livro O Tempo e o Vento. 
História belíssima e digna de ser lida.

Obs: Trecho retirado da net, portanto se algo não condiz com o livro estou à disposição para fazer a correção. Quando li o romance, peguei emprestado e na verdade não me lembro muito da história contada. Só fui recordar quando assisti à minissérie. Isso faz tempo...

5 comentários:

  1. Trecho lindo dessa linda história! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Lindo trecho que me aguçou mais ainda a leitura dessa obra. Acredita que ainda não li Verissimo? Estou em débito comigo mesma pois sempre dei força ao autor nacional. Mas como sempre digo: O livro é que nos escolhe e o meu dia ainda não chegou mas tenho certeza que ainda sentarei e me deliciarei com toda obra dele. Sua postagem despertou um pouquinho mais minha vontade de ler.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Érico Veríssimo, Machado de Assis, José de Alencar... literatura tradicional que traz um vocabulário impecável. Lembro-me de ler com o dicionário às mãos, certamente ajudaram a aprimorar o repertório de palavras e a sagacidade para interpretar. Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. Não seria Vila de Santa Fé???

    Otô certo ou otô errado???

    Beijuxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx...

    KK

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, com certeza!
      Já fiz a correção...
      Como sempre você me dando uma mão enorme nos textos.
      Obrigada, Zóio Azul!
      Beijos

      Excluir

Olá, seja bem vindo e deixe seu comentário!

Eu os responderei por aqui mesmo ou por email, se achar necessário.

São muito bem-vindos, sempre!