quarta-feira, 21 de maio de 2014

Pássaros Feridos


Trecho do livro Pássaros Feridos, Colleen McCullough.

      Pouco antes de seu décimo quinto aniversário, quando o calor do verão principiava a aumentar, rumo ao seu máximo estupeficante, Meggie notou manchas pardas, irregulares nas calças. Um ou dois dias depois as manchas desapareceram, mas seis semanas  mais tarde, voltaram, e a vergonha mudou-se em terror. Na primeira vez julgara-a sinais de um traseiro sujo, e daí a sua mortificação, mas, na segunda, viu que se tratava inegavelmente de sangue. Não tinha a menor ideia da sua procedência, mas presumiu que viesse do traseiro mesmo. A lenta hemorragia desapareceu três dias depois e não voltou por mais de dois meses; a lavagem furtiva das calças passara despercebida, pois era ela mesma que lavava quase toda a roupa. O ataque seguinte lhe trouxe dor, as primeiras cólicas não hepáticas de sua vida. E a sangria foi pior, muito pior. Ela furtou algumas fraldas dos gêmeos, que tinham sido postas fora de uso, e tentou amarrá-las por baixo das calças, horrorizada pela perspectiva de que o sangue pudesse transpassá-las.

      A morte que levara Hal havia sido como uma visita tempestuosa de algo fantasmagórico; mas essa cessação do próprio ser era aterradora. Como poderia ela procurar Fee ou Paddy para dar-lhes notícias que estava morrendo de alguma doença indecorosa e proibida do traseiro? Somente a Frank teria ela podido contar suas dificuldades, mas Frank estava tão longe que não sabia onde encontrá-lo. Ela ouvira as mulheres falar, à mesa do chá, em tumores e cânceres, mortes lentas e horripilantes, que suas amigas, suas mães ou suas irmãs haviam sofrido, e aquilo lhe parecia, sem dúvida, uma espécie qualquer de tumor que lhe corria as entranhas, roendo-as em silêncio na direção do coração assustado. E ela não queria morrer!

      Suas ideias sobre a morte eram vagas, como era vaga a ideia que fazia do seu futuro "status" naquele incompreensível outro mundo. Para Meggie, a religião era muito mais um conjunto de leis que uma experiência espiritual, e não poderia ajudá-la de maneira alguma. Palavras e frases acotovelavam-se, aos pedaços, em sua consciência tomada de pânico, proferidas pelos pais, pelas amigas, pelas freiras, pelos padres nos sermões, pelos homens maus nos livros quando ameaçavam vingar-se. Não havia maneira com que pudesse chegar a um acordo com a morte, procurando imaginar se a morte era uma noite perpétua, um abismo de chamas que ela teria de transpor num salto para chegar aos campos dourados do lado oposto, ou uma esfera, como o interior de um balão gigantesco, cheio de coros que se alteavam e luzes atenuadas por janelas sem fim de vidros pintados.

      ###########################

      Um livro delicioso, instigante, emocionante e que vale a leitura. A saga de uma menina por seu amor a um padre, proporcionando momentos de alegrias e de muita dor, tristezas, perdas... A vida como ela é.
      Um vídeo de um seriado gravado e exibido no SBT há anos.




8 comentários:

  1. Que instigante conto, que da vontade de continuar! A religião é o freio do ser humano! abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia o livro, Ives, ou então assista a minissérie. Tem no Youtube ela completa. Vale a pena. Vai adorar, tenho certeza! Tanto o livro quanto o vídeo são maravilhosos. Mas no livro tem mais detalhe que a gente não percebe. É grosso, tem mais de 600 páginas mais dá pra ler em pouco tempo, de tão intenso que é.
      Abraços, amigo!

      Excluir
  2. Isso tudo fez um sucesso danado mesmo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fez sim, Giu, e se reprisar fará de novo, com certeza!

      Excluir
  3. Grande Clara! Amei a dica, nem lembrava mais.
    Bjs
    Marli
    Blog da Marli

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É lindo, Marli, vale a pena uma reprise, com certeza!
      Beijos, querida!

      Excluir
  4. Comentei sobre ele, será que foi no Facebook? Amo o livro e assisti ao filme, nas duas vezes que passou a série. Lindo, lindo, os atores escolhidos a dedo. Um dos filmes bem fiéis ao livro, é imperdível. Não me lembro de quem li, era emprestado, e vou comprar o meu, reler e me apaixonar de novo. rs Este é um dos livros que a gente não dá, é para ser relido periodicamente.
    Beijo, Clara.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um livro inesquecível! Cada fase a gente se lembra. Eu li o livro primeiro e depois assisti a minissérie. Não faltou nada! Amei os 2!
      Beijo,s querida!

      Excluir

Olá, seja bem vindo e deixe seu comentário!

Eu os responderei por aqui mesmo ou por email, se achar necessário.

São muito bem-vindos, sempre!