domingo, 30 de agosto de 2015

Olhos Embaçados


      Inverno com cara de verão, calor seco e insuportável, dando a sensação de estar respirando poeira, Augusta olhou para o batente da porta e viu marcas de mãos. Levantou-se, pegou um balde com água e sabão, uma bucha de cerdas macias e começou a limpeza. A cor antigamente era branca, mas com a sujeira e o pó tornou-se bege. Como não havia prestado atenção antes? Por quanto tempo o batente estava sujo?

      Terminado, olhou para as janelas e viu-as empoeiradas. Olhou para o chão e não estava limpo como costumava ser. Sentou-se no sofá, recostou a cabeça, fechou os olhos e, mentalmente, começou as lamúrias e reclamações. Tantas pessoas lhe vinham à mente que até perdia as contas. Lembrou-se de uma prima, um desafeto antigo que nunca mais ouvira falar, e uma sensação de vazio tomou-lhe o coração. O que ela havia feito mesmo? Faz tanto tempo que nem se lembrava. Como será que está?

      Aos poucos Augusta foi deletando todas as pessoas que um dia a magoaram. Pensou em si e como estava inerte na vida, perdendo tempo com o que não havia mudança de sua parte. Por onde andariam as pessoas traiçoeiras e mentirosas que um dia cruzaram sua vida? Sumiram? Ou será que Augusta que se afastou do mundo?

      Levantou-se e sintonizou Mozart no pendrive. Sentou-se novamente, fechou os olhos e apenas ouviu as sinfonias. Que maravilha! Instrumento por instrumento, todos ritmados, em sintonia formando a harmonia perfeita da obra-prima de Mozart. Wolfgang Amadeus Mozart, estupendo! Há anos não se deliciava com tamanha perfeição.

      Em meio às notas executadas com perfeição, Augusta se recordava de palavras duras e grosseiras lançadas a algumas pessoas queridas. Elas também se afastaram e ela nunca teve coragem de se redimir pedindo perdão. Foram várias, inclusive sua mãe. Mas mãe é mãe e ela estava sempre por perto cuidando da filha apesar de sua indiferença. Mesmo adulta ainda necessitava da atenção de dona Vera.

      Abriu os olhos e viu os livros enfileirados na estante, todos empoeirados. De longe via-se a poeira escondendo o filete dourado da capa-dura, de várias cores, vermelhas, pretas, verdes, azuis, todas em tons fortes e brilhantes, terminando com um filete dourado em toda a volta e no título. Coleção linda que comprara um a um, pois na época lhe era muito cara para tanta ousadia. Mais de trinta livros, comprados um por mês. Lera somente alguns. O que lhe encantava era olhá-los enfileirados e arrumados. Pegou uma flanela limpa e um a um foi retirando da estante e limpando com cuidado. A estante antiga, em mogno, foi lustrada com óleo de peroba. Mozart reinava absoluto e os livros voltaram a ser os reis da estante.

      Sentou-se novamente no sofá e admirou-os. Sorriu.

      Ouvindo somente Mozart e nada mais, limpou as janelas, tirou teias de aranha dos cantos do teto, mudou o sofá de lugar, colocou um tapete que estava esquecido num cômodo onde só haviam quinquilharias, e neste mesmo cômodo, porta-retratos com fotos antigas da família voltaram à estante, logo abaixo dos livros. Faltava algo na sala, um vaso com flores. Queria rosas verdadeiras, mas não se animara a sair para comprá-las. Buscou naquele cômodo esquecido algum vaso antigo. Encontrou um que era de sua avó, branco com desenhos azuis, português. Estava com flores artificiais, mas não gostou delas, então colocou somente o vaso sobre a mesa de centro, também em mogno e com tampo em vidro temperado.

      Aumentou o som e Mozart invadiu os outros cômodos. O Sol já estava se pondo e seus raios entraram triunfantes pela janela da sala, que antes só haviam sombras. Olhando-o majestoso se despedir, Augusta chorou. Quanto tempo havia perdido com pensamentos destruidores? Sentiu-se leve e à medida em que as lágrimas lhe escorriam pela face, mais a música lhe invadia a alma dando-lhe leveza e fazendo-a retornar à vida.

      Não importaria por quanto tempo cultivou amargura, a partir de agora o cultivo seria outro. Tudo novo, mesmo tudo sendo como sempre foi. Augusta ainda teria uma longa jornada a cumprir e queria esquecer o passado, ou pelo menos tentar esquecer. O presente estava em sua casa, naquela sala com seus livros maravilhosos, Mozart desfilando imponente pelo ar, o Sol a brilhar todos os dias e um coração em processo de limpeza. Não lhe restava nada melhor do que aquele momento que se estenderia pelo resto de sua vida.

      Augusta, enfim, renasceu. Foi até a cozinha, avistou várias sujeiras que seriam retiradas no outro dia, fez um chá, ajeitou torradas numa cumbuca de vime, forrou a mesa com uma toalha de chita estampada com flores amarelas e vermelhas, xícaras novas que eram usadas apenas em ocasiões especiais, brancas com desenhos portugueses em azuis, combinando com o vaso da sala. Lembrou-se do jogo completo com pratos, xícaras e sopeira, tudo portugueses. Usaria diariamente desde então. Foi até a casa ao lado, onde morava sua mãe e convidou-a a acompanhar num chá. Dona Vera estranhou, mas sorriu largamente e aceitou de pronto o convite. Pediu para a filha esperar alguns minutos, ajeitou-se no espelho do quarto e foi tomar o chá da tarde com a filha Augusta.

      Fim.

13 comentários:

  1. Que lindo e tão bem escrito,Clara e esse final maravilhoso! ADOREI! bjs,chica

    ResponderExcluir
  2. Olá, Clara, como vai? O cultivo da amargura pode acabar a qualquer momento, a energia despendida para se amargurar e se alegrar é a mesma, basta uma escolha, deixar o passado para trás e olhar em frente. Gosto de finais felizes, eu e esse meu grande coração sensível, rsrsrsrs! Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Que leveza gostosa na tua escrita! Tão peculiar e ao mesmo tempo tão comum de nos acontecer...
    Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Olá, querida Clara
    Que beleza ver a moça resiliente a todo vapor!
    Parece verídico e não um conto...
    Gostei muito!
    Bjm fraternal

    ResponderExcluir
  5. Estou retornando e encontro, como sempre uma bela página, Seu conto tem uma leveza maravilhosa.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  6. olá Clara tanto tempo estive ausente ..não só daqui mas de outros lugares e volto para deleitar-me com a suavidade e leveza deste conto. Perfeito querida ..Claro e de uma simplicidade comovente que retrata bem a solidão povoada em que a amargura cede lugar motivada pela embriaguêz da boa musica a um reencontro da personagem com ela mesma.Parabens!

    ResponderExcluir
  7. Conto muito bem construido, parabéns!

    ResponderExcluir
  8. Uma mensagem de transformação. Estar na vida apenas vendo-o a passar. O reencontro do si mesmo. Belo conto.
    Grata pela visita, volte sempre.

    ResponderExcluir
  9. Feliz terça-feira!
    Sempre com textos sensacionais, cativantes e que nos prende até chegar o fim, sempre com gostinho de quero mais..
    Grande abraço
    Nicinha

    ResponderExcluir
  10. Na xícara portuguesa o aroma daquele chá vindo para mostrar que o presente desconsidera o odor de um passado empoeirado, ou limpado para sempre.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  11. Bem mais fácil limpar a sala que tirar as teias de aranha
    da mente, não? As faxinas da mente e do coração, muito
    mais urgentes que a da casa física, são sempre deixadas
    pra depois e, na maioria das vezes, não são feitas.
    Tristeza e solidão são a resposta mínima a esse desleixo.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Estava lendo com o barulhinho da chuva entrando pela minha janela.
    Que paz.
    Adorei.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  13. Bom dia minha linda
    simplesmente maravilhoso um dom perfeito
    Bjuss de bom domingo
    Rita!

    ResponderExcluir

Olá, seja bem vindo e deixe seu comentário!

Eu os responderei por aqui mesmo ou por email, se achar necessário.

São muito bem-vindos, sempre!