amazon

amazon
amazon - clique na imagem

domingo, 2 de agosto de 2015

Felicidade Realista


De norte a sul, de leste a oeste, todo mundo quer ser feliz. Não é tarefa das mais fáceis.
A princípio bastaria ter saúde, dinheiro e amor, o que já é um pacote louvável, mas nossos desejos são ainda mais complexos.
Não basta que a gente esteja sem febre: queremos, além de saúde, ser magérrimos, sarados, irresistíveis. Dinheiro? Não basta termos para pagar o aluguel, a comida e o cinema: queremos a piscina olímpica e uma temporada num spa cinco estrelas. E quanto ao amor? Ah, o amor… Não basta termos alguém com quem podemos conversar, dividir uma pizza e fazer sexo de vez em quando. Isso é pensar pequeno: queremos AMOR, todinho maiúsculo.
Queremos estar visceralmente apaixonados, queremos ser surpreendidos por declarações e presentes inesperados, queremos jantar à luz de velas de segunda a domingo, queremos sexo selvagem e diário, queremos ser felizes assim e não de outro jeito. É o que dá ver tanta televisão. Simplesmente esquecemos de tentar ser felizes de uma forma mais realista. Ter um parceiro constante pode ou não, ser sinônimo de felicidade. Você pode ser feliz solteiro, feliz com uns romances ocasionais, feliz com um parceiro, feliz sem nenhum. Não existe amor minúsculo, principalmente quando se trata de amor próprio.
Dinheiro é uma benção. Quem tem, precisa aproveitá-lo, gastá-lo, usufruí-lo. Não perder tempo juntando, juntando, juntando. Apenas o suficiente para se sentir seguro, mas não aprisionado. E se a gente tem pouco, é com este pouco que vai tentar segurar a onda, buscando coisas que saiam de graça, como um pouco de humor, um pouco de fé e um pouco de criatividade.
Ser feliz de uma forma realista é fazer o possível e aceitar o improvável. Fazer exercícios sem almejar passarelas, trabalhar sem almejar o estrelato, amar sem almejar o eterno.
Olhe para o relógio: hora de acordar. É importante pensar-se ao extremo, buscar lá dentro o que nos mobiliza, instiga e conduz, mas sem exigir-se desumanamente. A vida não é um jogo onde só quem testa seus limites é que leva o prêmio. Não sejamos vítimas ingênuas desta tal competitividade. Se a meta está alta demais, reduza-a. Se você não está de acordo com as regras, demita-se. Invente seu próprio jogo. Faça o que for necessário para ser feliz.

Martha Medeiros

Do livro "Montanha Russa", 2003.

10 comentários:

  1. MM escreve com clareza e lucidez. Em quase todo texto dela eu me identifico e gostaria de ter escrito exatamente aquilo que li.
    Não é fácil ser realista demais, mas temos que nos esforçar. Pior é ficar procurando uma felicidade que não existe, enquanto ela está pertinho de nós!
    Beijo, Clara. Boa semana.

    ResponderExcluir
  2. Gosto muito dela e de seus escritos! E dos teu idem!rs bjs, chica

    ResponderExcluir
  3. Que texto interessante, Clara! Martha Medeiros tem sempre uma visão muito realista da vida.
    Penso que hoje estou muito próxima do ideal, o que é reconfortante. Talvez quando encontramos os pontos que nos deixam confortáveis e felizes, sem metas surreais, sempre correndo atrás do contexto favorável sem esperar que as coisas caiam do céu, conseguimos uma alegria duradoura. Hoje só falta o amor mais pertinho, rsrsrs. Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Eu simplesmente amo tudo que essa mulher escreveu.

    O ser humano nunca está satisfeito com o que tem, e quando tem, sempre quer o que ainda não tem.Interessante essa busca constante!

    Bjos Clara!

    ResponderExcluir
  5. Para ser feliz há que se amar sobre todas as coisas.
    Há que se reinventar em cada manhã.
    Para ser feliz é preciso estar de bem consigo.
    Um belo texto Clara.
    Uma linda semana de paz no coração neste Agosto com gosto de Deus.
    Um abração amiga.
    Bju

    ResponderExcluir
  6. Sou fã dessa escritora! Já fui uma sonhadora daquelas que ficam com a cabeça nas nuvens idealizando o amor. Para mim, felicidade está nas pequenas coisas do dia a dia. Isso aprendi com meus avós, minha mãe. Já o amor, esse foi meu grande erro na adolescência e juventude. Hoje, com a maturidade, deixei de lado as quimeras mas não descartei a chance de encontrar um parceiro. Se aparecer, ótimo! Caso não vingue, sigo aproveitando a vida da mesma forma procurando achar beleza e alegria em tudo. Tem hora que não é fácil, como o momento que vivo atualmente mas mesmo assim, a vida é bela! Bjs

    ResponderExcluir
  7. Também gosto muito de MM. Tudo que ela escreve se encaixa perfeitamente na vida da gente, e até uns puxões de orelha nos cabem direitinho.
    É um modo realista de encarar a realidade, sem medo de comentar nada e sem medo de saber que é isso mesmo, somos assim mesmo.
    Um beijo em todos e muito obrigada pelos comentários.
    Boa semana!

    ResponderExcluir
  8. Fantástico este texto, Clara
    Acredito que temos momentos felizes, e estes devemos aproveitar ao máximo.
    Lindo fim de semana para tí, querida.
    Beijinhos de
    Verena e Bichinhos.

    ResponderExcluir
  9. Apesar de muito sonhador, nunca me considerei infeliz
    e almejando uma felicidade inalcançável.
    Provavelmente porque nunca dei muita atenção
    às comunicações da televisão.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Apesar de muito sonhador, nunca me considerei infeliz
    e almejando uma felicidade inalcançável.
    Provavelmente porque nunca dei muita atenção
    às comunicações da televisão.
    Beijos.

    ResponderExcluir

Olá, seja bem vindo e deixe seu comentário!

Eu os responderei por aqui mesmo ou por email, se achar necessário.

São muito bem-vindos, sempre!