terça-feira, 30 de setembro de 2014

Minha Mulher - Conto Sensual

      Um dos grandes prazeres de Maurício era ficar observando a mulher Kellen. Mesmo depois de anos de casados ela continua linda e sensual, com curvas mais generosas. Maurício não entende como ela pode se olhar no espelho e enxergar defeitos. Não tem! É perfeita!

      À noite ele sempre vai para o quarto primeiro, toma seu banho e se deita na cama, para ler. Na verdade ele não lê, fica disfarçando para admirar os movimentos de Kellen.

      O ato de tirar a roupa é mais que um streep tease particular. A delicadeza com que desabotoa a roupa e deixa-a escorregar pelo corpo é como uma cortina que cai anunciando o primeiro ato. A suavidade ao se abaixar para pegá-la no chão é só um prenúncio de um show delirante. A roupa íntima, como apoteose, é de enlouquecer... Ainda de costas para Maurício, Kellen olha para o lado como se quisesse ter certeza de que estava sendo observada, leva as duas mãos às costas e com habilidade feminina desabotoa o sutiã, abaixa as alças e tira-o de uma vez, mostrando o contorno lateral dos seios que continuam lindos. Com uma certa timidez abaixa a calcinha lentamente sem deixá-la enrolar, até um pouco abaixo dos joelhos para depois deixá-la escorregar até os pés e, apoiando-a em um deles, eleva-a até sua mão e resgata-a e colocando-a junto com as outras roupas.

     Como uma gueixa nua, caminha até o banheiro, abre a ducha e deixa escorrer a água. Ele imagina suas mãos macias percorrendo seu corpo, cobrindo-o com espumas de sabonete neutro. Cantarola uma música indecifrável. O banho é rápido e, ainda molhada, besunta o corpo com um óleo bifásico perfumado. A pele brilha, ele fecha os olhos e visualiza Kellen escorregando as mãos oleosas por todo o corpo... Ahhh, isso deixa-o ainda mais excitado. Poderia ir até o banheiro e agarrar Kellen de uma vez, mas prefere imaginar sua mulher se tocando e espera-a na cama.

      Enrolada na toalha, Kellen sai do banheiro e se prepara para vestir a camisola de seda azul, curtinha e fresca. Primeiro coloca a calcinha, que não é tão pequena como as que usava quando era mais jovem, Só depois é que deixa a toalha cair aos seus pés e veste a camisola, delicadamente. Maurício não consegue mais disfarçar, coloca o livro aberto sobre o peito, apoia a mão sob a cabeça e com um sorriso safado fica admirando Kellen.

      Finalmente ela solta os cabelos cacheados que deitam sobre seus ombros. Se olha no espelho, ajeita-os com as mãos, vira o rosto para um lado, para o outro, procurando algo novo velho que ainda não tinha visto, borrifa um perfume no pescoço e nos pulsos, cheira, se vira para o marido e sorri. É a visão do paraíso! Se aproxima da cama, apoia os joelhos e engatinha até se aninhar em seus braços querendo a costumeira proteção noturna, livrando-a de pesadelos e da escuridão medonha quando a luz é apagada.

      Maurício abraça-a com carinho, alisa seu braço e puxa uma perna dela sobre seu corpo. Beija-a carinhosamente, fecha os olhos e prefere ficar quieto, tranquilo, sentindo o corpo fresco e perfumado de Kellen, sua mulher amada e gostosa.

      Apaga as luzes e continua em estado de êxtase. Kellen lhe dá um beijo de boa noite e fecha os olhos. Maurício, como um macho que tem a fêmea em seus braços, deita sobre seu corpo, beija-a longamente, deslizando suas mãos pelo seu corpo macio, olha em seus olhos e diz que boa noite sim, mas que dormir ainda não. A noite está apenas começando para os dois.

      Mas essa é uma outra história...

      Fim.

      Texto publicado em 18 de novembro de 2013.

  

25 comentários:

  1. Um conto sensual que você narra com a tranquilidade de quem sabe escrever bem.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Élys...
      Minha mente voa por aí!!!
      Beijos

      Excluir
  2. E como essa noite vai ser boa!
    Um homem delicado, macho que sabe a hora de agir...sem antecipar nenhum movimento.
    A-dooreiiii!
    Me fez lembrar meu ex-marido, ele gostava de me admirar discretamente. Muitas vezes eu queria ouvir palavras, mas seu olhar me dizia tudo.
    Enfim, bons tempos guardados nas lembranças.
    Conto delicioso...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Homens assim são raros, mas existem sim! Que bom!
      Boa semana, Vall
      Beijos

      Excluir
  3. Adorei o seu conto ! Com certeza voltarei mais vezes para ler mais ! Parabéns amiga ! Boa semana ! Bjs !

    ResponderExcluir
  4. Lindo conto Clara Lucia,sensual,mas contado com muita naturalidade.
    Adorei.
    Obrigada da visita e comentário.
    bjs
    Carmen Lúcia-mamymilu

    ResponderExcluir
  5. Nossa muito legal seu conto, Clara
    Amei!!!!

    Eu exclui, sem querer, o que havia escrito na BC da Irene
    Sorte que me lembrei e postei novamente
    Sou uma antaaa...rs
    Beijinhos de
    Verena e Bichinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsrsrsrs isso acontece, Verena, normal!
      nem se não se lembrasse, escreveria outra coisa... rsrsrs
      Beijos

      Excluir
  6. Muito bom, sensual, mas de uma leveza deliciosa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leves, mas intensos... mas só depois de apagar as luzes.
      Beijos

      Excluir
  7. Realmente de uma delicadeza deliciosa. As palavras deslizam qual o óleo bifásico do conto! Adorei!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Ana Paula!
      Óleo bifásico é tudo de bom!
      Beijos

      Excluir
  8. Adorei! Conheço esse Maurício. Me pareceu familiar.

    "E que o convívio comigo mesmo se torne ao mesmo suportável."

    Beijuxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx...

    KK

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conhece? Existem poucos por aí...
      Concordo com a frase, se nós não nos suportarmos, quem irá?
      Beijos

      Excluir
  9. Clara, adorei o conto, porque soube aliar sensualidade e paixão ao mesmo tempo. Quando amo uma pessoa sinto essa fascinação que o Maurício sente por sua mulher no conto. Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também sinto, Bia, e é tão bom!
      Beijos!

      Excluir
  10. Oi Clara que cena mais linda essa que descreveu! Homens assim é que fazem falta. Ou será que nós mulheres é que não enxergamos mais essas sutilezas? Fico aqui a pensar sobre isso. Lindo conto! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Existem sim, só estão longe de nós, Roseli, infelizmente... rsrsrs
      Beijos

      Excluir
  11. Clap, clap, clap, clap, clap! ;)
    Sem palavras, apenas aplausos...
    Beijo, beijo!
    She

    ResponderExcluir
  12. Vixe! Nos anos 60 isso seria literatura proibida! Mas não porque não tem qualidade literária. Faltou dizer que algo fez Tóinnn! Como uma mola, e subiu mais que o preço do tomate. Rerrerré!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  13. Linda cena. Fecha o pano. A noite é uma criança...
    Beijo, Clara.

    ResponderExcluir

Olá, seja bem vindo e deixe seu comentário!

Eu os responderei por aqui mesmo ou por email, se achar necessário.

São muito bem-vindos, sempre!