quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Semana Interminável


Participando da Blogagem Coletiva - Momentos de Inspiração 13ª Edição. Da M@myrene.

      Com um feriado no fim de semana, as crianças já ficavam alvoroçadas. Sabiam que iriam à praia. Na terça feira já perguntavam se faltava muito tempo para chegar o sábado. Rodolfo não tinha muita paciência com os filhos, mas Judith entrava na algazarra e se transformava em criança também.

      Finais de semana na praia lembrava tanto sua infância que Judith fazia tudo exatamente igual a sua mãe, quando ela, sua irmã Jacira e seu irmão Juvêncio aguardavam ansiosos o passeio sagrado no dia das crianças. Entravam no carro e iam a viagem toda ajoelhadas no banco de trás, olhando a cidade sumir e os carros se aproximando, querendo ultrapassá-los. Apostavam se um ou outro carro seria mais rápido do que o que estavam.

      Hoje, vendo seus filhos fazendo exatamente o que fazia quando criança, se emocionava e se perdia nas recordações.

      Na sexta feira à noite já não dormiam mais. Acordariam de madrugada para poderem chegar ainda de manhã, com o sol nascendo, e vislumbrar o amarelo ouro sair de mansinho da imensidão azul, pingando um suor na água, provocando as ondas, até acordar de vez e brilhar imponente e quente. Para Judith não existia visão mais linda do Universo.

      Mal desciam do carro e as crianças, vestidas com roupas de banho, corriam em direção à espuma branca, ainda gelada, soltando gritinhos de alegria. Depois, fazendo uma concha com as mãos, enchiam com a água salgada e jogavam para cima, para que as gotas molhassem seus rostos e ardessem seus olhos. Riam compulsivamente sem se cansarem. Voltavam para a areia, se enfileiravam e corriam novamente, apostando quem tocaria a água primeiro.

      Ricardinho sempre ganhava por ser o mais ágil e o mais magro. Andrea era a última e sempre ficava emburrada, cruzando os braços e deitando o beiço até quase encostar no peito. Ana Luiza não conseguia correr muito porque morria de rir, então não sabia se ria ou se corria. Depois se jogava na areia, com os braços e pernas abertas, como uma estrela do mar e, olhando o sol, apertava os olhos e gritava. Era a liberdade de olhar o céu azul, sem nuvens, com algumas gaivotas sobrevoando a praia e o barulho mágico do mar que ia e vinha, incansavelmente.

      E assim passavam o dia. Voltavam para casa já à noitinha, com os três pestinhas com as cabeças pendentes para o lado, dormindo sentados e bem amarrados no cinto de segurança.

      O passeio seria o assunto da semana, ou então do mês, dependendo de quem tivesse paciência para ouvi-los contar a mesma história inúmeras vezes.

      Fim.


18 comentários:

  1. Que história lindinhas! Amei ^^
    Ahh, no meu blog tá tendo um sorteio, com coisas que eu trouxe de Palestina, já participou? vê lá!
    http://laialisafa.com/2013/10/sorteio-coisas-de-palestina.html
    Bjinhos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depois vou lá!
      Quem sabe minha sorte está lá no seu blog?

      Beijos

      Excluir
  2. Que amor!E as crianças são bem assim.Primeiro ansiosas, depois cansadas ao voltar! beijos,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eles desmaiam qdo estão cansados, e como são crianças nem se importam com o pescoço torto. Nem dói!

      Beijos, Chica!

      Excluir
  3. Muito bom seu texto Clara. Como é bom ser criança! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bom mesmo, Roseli e se crescemos com uma pitadinha da infância então, melhor ainda!

      Beijos

      Excluir
  4. Muito bom. E é isso que falta nas pessoas, serem mais crianças, aproveitarem cada momento da vida como se fosse único.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso faz toda a diferença na vida, viver cada momento, cada detalhe, sem vergonha e sem ficar pensando muito. Momentos assim é que nos fazem bem sempre.
      Beijos

      Excluir
  5. Gostei de sua inspiração...
    Mistura tudo: inocência, alegria e algum mistério... Mto bom!

    bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Milene... crianças sempre são uma alegria.
      Beijos

      Excluir
  6. Nossa, ótimo texto. Pude sentir a brisa da praia no rosto.
    Parabéns.
    Abraços e paz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, menino Milton!

      Abraços e bom fim de semana!

      Excluir
  7. Muito bem escrito seu texto, Clara
    Dá para sentir a alegria das crianças
    Perfeita participação!
    Lindo final de semana
    Beijnhos
    Verena e Bichinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Crianças são inesquecíveis!
      Pena alguns não ter uma criança dentro de si, mesmo adulto.

      Beijos
      Ótimo fim de semana!

      Excluir
  8. Muito bem expressivo seu texto, crianças são assim. Parabéns
    bjs.

    ResponderExcluir
  9. Clara!
    Passeio delicioso e inesquecível para os pequenos, bem elaborado.

    Obrigada por visitar o blog, sua visita é sempre bem vinda!
    Desejo que seu final de semana seja carregadinho de alegrias, muita luz e paz no coração!
    cheirinhos
    Rudy
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!
    " Agradeço tudo aquilo que está na minha vida até neste momento, incluindo até as dores. A nossa compreensão do universo ainda é muito pequena, para julgarmos o que quer que seja da nossa vida."

    ResponderExcluir
  10. Clara
    Sabe que me vi nessa história. Nascida e criada a beira da praia como tenho lindas recordações desses momentos com meus irmãos.

    Adoro ler seus contos. Lindos!

    Desculpe o grande atraso,mas aqui estou.

    Beijos mil

    ResponderExcluir

Olá, seja bem vindo e deixe seu comentário!

Eu os responderei por aqui mesmo ou por email, se achar necessário.

São muito bem-vindos, sempre!