segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Engolir Sapos ou Soltar os Cachorros?


No meu tempo de menina, as crianças eram educadas a serem "educadas" com todos. Não podia isso porque não, não podia aquilo porque é falta de educação, não podia aquilo outro porque senão fica com fama ruim na cidade, não podia aquilo outro porque senão ia para o inferno... E as definições eram infinitas.

Mas não nos ensinavam como engolir sapos e ficar calada. E é claro que tinham os psicólogos, os formadores de opinião que incentivavam a ficar calada durante uma discussão. Eu ficava pensando, e os pais daquelas pessoas que tinham o hábito de agredir, não deram educação? Quem educou os mal educados?

Depois, em outra geração, a dos meus filhos, o que aprendi a engolir, "desensinei" a eles. Quer dizer, ensinei, é claro, a sempre ter educação, em qualquer lugar, mas também ensinei que se algo incomoda, se alguém ofende, maltrata, não é bom ficar calado. Não digo que tem que brigar, mas responder de uma forma em que a pessoa pelo menos saiba que não está falando com um idiota. Que se quer respeito, tem que primeiro respeitar.

E é assim que eu penso, depois de tantas cabeçadas, tantos sofrimentos por palavras que ficaram entalados em mim, me causando até traumas, hoje falo o que penso, respeito todos, mas gosto de ser respeitada também. Não incentivo uma discussão mas também não fico calada suportando o que não mereço.

Os psicólogos defendem essa atitude também, de não ficar calado, de não ter medo de expor seu modo de pensar e agir, enfim, de não guardar o que não lhe pertence.

Padre Fábio de Melo, em um de seus vídeos, fala exatamente isso: não colocar nas costas o que os outros dizem e que você sabe que não é, que não lhe pertence. Nesse caso melhor ficar calada porque discutir com quem não sabe ouvir, é perda de tempo.

Engolir sapo é horrível porque nunca mais nos esquecemos do agressor e de suas palavras afiadas. E digo que ficamos até arquitetando uma vingança caso a pessoa diga isso, responderemos aquilo, na lata! E a vida passa, os dias voam e quem agrediu nem se lembra mais da nossa existência. E quem engoliu o sapo, se lembra até da roupa que a pessoa usava quando agrediu.

Sou a favor, sempre, da gentileza, da educação, da tolerância, dos bons modos, mas tem atitudes que não dá só para aguentar. E tem gente que é assim mesmo, fala pelos cotovelos sem se importar se está humilhando ou agredindo e tem gente que não consegue ter uma atitude de responder a uma agressão e com isso guarda mágoa pelo resto da vida. Isso adoece a alma e o corpo.

Se existisse o respeito, a boa conversa e saber que cada um é de um jeito e pensa de uma forma, ficaria muito mais fácil. Mas o ser humano é assim mesmo, carregado de defeitos e uma explosão de emoções.

Difícil isso!

O que vocês acham? Calar ou responder?


27 comentários:

  1. Eu tento ser o mai gentil possível, educada, etc... Porém se fazem uma injustiça pra mim ou para qualquer um dos meus, seja marido, filhos, netos e toda família, saio com os cascos afiados e me vou como uma vaca braba, rodo a baiana , lavo a alma e não engulo sapos, never more!!! Sai da frente que lá vem a chica irada.Ela é foooooooooooooogo!!rs beijos,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu me calo porque tem pessoa que não me compreende e fica me criticando, me fazendo ficar pior do que eu estava.

      Excluir
    2. A maioria das vezes é bom se calar mesmo. Nem vale a pena discutir com quem não sabe ouvir e muito menos respeitar.
      Bem-vindo, Vinícius!

      Excluir
  2. Foi muito dífícil, mas agora estou aprendendo a dizer NÃO
    Aprendí que não preciso ficar calada quando certas pessoas me ofendem
    Linda semana para tí, Clara
    Um beijinho de
    Verena e Bichinhos

    ResponderExcluir
  3. Nem engolir sapos, nem soltar os cachorros. Há sempre o caminho do meio. Não gosto de "brigar", depois fico muito mal. Prefiro falar o que quero, mas sem perder as estribeiras. Responder a um desagrado também desagradando, é nos nivelar com quem nos destratou. Às vezes uma frase calma, bem dada, vale mais do que perder a linha.
    Quando mais nova perdia a razão com mais frequência, revidando. Hoje me controlo e falo mais calma, aí a pessoa se desarma...Mas fácil não é e se precisar, rodo a baiana, subo nas tamancas, falo pelos cotovelos...principalmente em casa. O que me desagrada sempre.
    Beijo, Clarinha.

    ResponderExcluir
  4. Clara, até hoje sofro com isso. Com meus filhos, nunca interrompi as argumentações ou justificativas que queriam dar, por mais errados que estivessem. Mas também sempre deixei claro, que o fato deles terem os motivos e as explicações deles, não queria dizer que pudessem ou que eu fosse deixa-los fazer aquilo que queriam.
    Engolir sapos dá congestão.

    ResponderExcluir
  5. Clara,
    Às vezes, é necessário engolir sapos, depende da ocasião, mas eu sempre primo que a melhor maneira é falar de modo educado, sem ser grosseira, mas mostrando seu ponto de vista. Não gosto de bate boca, mas às vezes, há situações que nos deixam tão fora de sí, que tem que soltar os cachorros mesmo. Ficar calada, desarma qualquer pessoa, mas nem sempre conseguimos tal façanha rsrs Hoje estou menos brigona e nem revido com tanta frequência, pois pratico muito com minha filha adolescente, que contesta por tudo, grita, me desafia a todo momento..afff QUE SACO!!
    Mas, depende das situações ficar calada para não se aborrecer e soltar os cachorros de vez em quando, é necessário.

    Bjos, sua linda.

    ResponderExcluir
  6. Ah menina, eu era uma bobona, engolia o brejo inteiro.
    Passados os anos e a maturidade me dando experiência .....
    Sou gentil, educada, tenho respeito pelas pessoas, tímida até um pouco (apesar de não acharem),
    mas NÃÃÃOOO engulo mais nada do que não quero. Tenho minhas opiniões, quero ser respeitada, e quando acho que preciso falar, falo mesmo o que penso e às vezes até faço a pessoa evaporar da minha vida, simplesmente torno ela invisível na minha vida. Sem medo! A vida é curta e bonita e não vou perder tempo .......
    Boa semana querida.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. vai pela orientação da Jô. como ela disse, não dá tempo pra engolir sapos, a Vida é curta! faz falta é a gente do bem, as do mal podem sumir. q te ofereçam rosas, nao sapos!

    ResponderExcluir
  8. Oi Clara, sou como você. Procuro manter a calma e a educação, mas tem horas que é preciso se afirmar. Procuro passar isso ao meu filho também.
    No meu primeiro trabalho, como jornalista, tinha uma directora que entrava na redacção aos gritos, insultava os jornalistas. Era uma tragédia grega! As pessoas até tremiam, quando ela entrava!
    A primeira vez que se dirigiu a mim com esses modos, eu disse-lhe muito calmamente que não conseguia conversar aos gritos. Ela nunca mais voltou a falar comigo sem ser de forma educada...
    Abraço querida
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderExcluir
  9. Sapos já engoli muitos até que fiquei tão cheia, tão engasgada que voltou tudo pra fora. Hoje faço psicanálise e trabalho essa questão em mim. Por que ficar quieta e engolir tudo? Se violentar? Ficar infeliz? Hoje consigo falar não e sinto-me bem melhor. Não sou mais briguenta também. Calo-me quando vejo que é necessário mas falo e exponho minhas ideias quando acho que é o momento. A vida é assim: aos poucos a gente vai aprendendo e se aperfeiçoando. Mas essa questão é sempre boa para trazer a tona e repensar. Bjs

    ResponderExcluir
  10. Ai Clara eu estou tentando tambem porque sempre fui muito calada nesse potno, porque não gosto de discutir ou falar algo no calor das emoções pq tenho medo de me arrepender, mais tem certas ocasiões que tem que resolver ali mesmo, senao a gente acaba se entalando com os sapos ne, rsss - adorei,
    Um abraço carinhoso

    Paty Alves
    Ágape Amor Verdadeiro
    Patyiva
    Vou Conseguir

    ResponderExcluir
  11. Num ponto a gente concorda, que ter educação é necessário, mas engolir o que os outros nos vomitam, isso não dá mesmo!
    Aprender a falar NÃO é tão libertador e nos dá tanta autonomia de ser respeitada que vale a pena sim.
    Como dizia minha avó, "tapa com luva de pelica". Isso é ótimo!

    ResponderExcluir
  12. Clara, eu concordo com cada palavra! Calar sim, mas só pra ouvir o outro. Em seguida, a resposta, porque ninguém deve ficar calado diante de algo que o incomoda.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  13. Acho que a ver com a personalidade, com o amadurecimento.
    Quando mais nova eu não conseguia dizer não e engolia sim muitos sapos e rãs!
    Com o tempo, fui percebendo o quanto aquilo me fazia mal e fui melhorando. Ainda me pego muitas vezes engasgando, mas hoje já consigo falar, nem sempre, nem em todas as situações que gostaria.
    Mas também concordo com a educação e como é libertador!
    Beijo

    ResponderExcluir
  14. Oi Clara, texto muito apropriado para repensarmos valores, que de tanto engolirmos sapos, inchamos e nos machucamos. Não aceito mais e com isso emagrecendo e baixando a pressão arterial. Parabéns, abraços carinhosos de Maria Teresa

    ResponderExcluir
  15. Esta é uma postura que só aprendi adulta e entupida com a "saparia".Demorou e ainda não cheguei ao termo desejado, mas já consigo, com polidez externar meu desagrado.Comecei ensinando o que me fora ensinado, depois que cai em mim, tive o mesmo olhar que vc e a mesma orientação para com os filhos.
    Não podemos deixar que pisem em nossa integridade.
    Adorei o papo, Clara.
    Bjkas,
    Calu

    ResponderExcluir
  16. Eu engulo muito sapo e abacaxi com casca e coroa... mas é só por que sou tonta demais rsrsrs e na hora de soltar os cachorros me acovardo... aff.
    Venho convidar você a participar do sorteio para todas no blog.
    Venha conferir.

    http://pequenasconquistasgrandesfelicidades.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Muito bom o seu texto, Clara.

    Mas hoje procuro adotar o melhor para mim. Se for daqueles sapos grandes, já solto os cachorros. Mas quando não tem muita relevância, respiro fundo três vezes e depois esqueço, pois não temos tempo a perder .

    Lindos dias para você.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  18. Realmente é preciso ter jogo de cintura.

    Olá, vim conhecer seu blog e gostei muito. Estou seguindo.
    Convido para conhecer meus blogs:
    Crescimento Cristão - Maturidade & Blog Crescimento Cristão

    TENHO 2 GRUPOS DE DIVULGAÇÃO (UM EM CADA BLOG), VENHA FAZER PARTE :

    Parceria Entre Blogs

    &

    Entre Blogs Grupo de Divulgação


    Bjs

    Cris

    ResponderExcluir
  19. Oi Clara, querida

    Adorei esse texto e tem muito a ver comigo. Fui educada em só escutar e nunca revidar.

    Mais agora com mais de 60 anos, vejo que é difícil mudar e ainda aguento muitas coisas, pra não criar confusão. Só não gosto que falem mal dos meus entes queridos,
    sempre os defendo, desde que estejam certos, é claro.

    beijo carinhoso

    Regina Célia

    ResponderExcluir
  20. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  21. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  22. Essa coisa de engolir sapos, tá por fora. Eu já engoli muitossss sapos, rãs, elefantes td que vcs podem imaginar, mas hoje em dia ninguém passa mel na minha boca, falo o que penso e dane-se se vão gostar ou não. Porque ficar guardando desaforos pra você, é o mesmo que ingerir um veneno diário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Luan, um dia a gente enche o saco e sai falando o que bem entende, mas com o passar do tempo, chegamos à conclusão de que ficar calado, mas sem engolir nada, é menos desgastante. Ignorar, em alguns casos, é a melhor atitude. Beijos.

      Excluir
  23. Essa coisa de engolir sapos, tá por fora. Eu já engoli muitossss sapos, rãs, elefantes td que vcs podem imaginar, mas hoje em dia ninguém passa mel na minha boca, falo o que penso e dane-se se vão gostar ou não. Porque ficar guardando desaforos pra você, é o mesmo que ingerir um veneno diário.

    ResponderExcluir
  24. Respondo na lata!Uma coisa é ser muito bem educado, outra coisa é ser uma pessoa boba.

    ResponderExcluir

Olá, seja bem vindo e deixe seu comentário!

Eu os responderei por aqui mesmo ou por email, se achar necessário.

São muito bem-vindos, sempre!