quarta-feira, 17 de abril de 2013

Irresistível - Um Conto Sensual


      Diana, depois de uma reunião interminável no trabalho, volta para casa quase cochilando ao volante. Bom que nessa hora o movimento não é intenso, mas essa calmaria a deixa bocejando e atenta para não cometer nenhuma infração. Liga o rádio e aumenta o volume. Começa a cantar e a dançar tentando se livrar do cansaço durante o caminho para casa. Finalmente chega.

      A rua está deserta, então, por segurança, ela passa devagar pela sua casa, verifica se está tudo bem e que não há ninguém suspeito por perto, vai até a esquina e volta. Abre o portão e escuta seu cachorro Theo latir insistentemente. Antes mesmo de sair do carro, arranca os sapatos de salto e vai caminhando sem fazer barulho. Por ser bem tarde tem quase certeza de que Fred já esteja dormindo ou lendo um livro.

      Depois de brincar um pouco com Theo, vai até o quarto, em silêncio, e vê Fred deitado e coberto apenas com um lençol. Ele sorri e diz um "boa noite" com voz de quem estava dormindo há algum tempo. Ela retribui, vai até o marido e deita ao seu lado, colocando uma perna sobre a sua e lhe beija carinhosamente a boca. Pede para ele esperar um pouco e vai até o banheiro. Toma uma ducha rápida e volta, vestindo somente uma calcinha minúscula branca. Fred acompanha a mulher com os olhos e morde o lábio inferior. Ela caminha como uma gueixa, bem delicada, olhando em seus olhos, com um sorriso tímido e um olhar penetrante e matador.

      Diana vai para seu lado da cama e calmamente se deita ao lado de Fred. Ele continua acompanhando com os olhos mas não aguenta e puxa Diana para si num abraço apertado, com beijos no pescoço e na orelha. Ela solta um gemido e se entrega num abraço. Seus longos cabelos cobrem-lhe o rosto, e ele calmamente com as mãos puxa-os para trás segurando-os num rabo de cavalo. Se beijam intensamente e sem que Fred perceba, ela enfia sua mão sob seu travesseiro e tira um par de algemas. Ele percebe e sorri. Diana pega suas mãos, coloca as algemas e prende na cabeceira da cama. Ele geme, olhando bem fundo em seus olhos. Mais uma vez Diana volta sua mão para debaixo do travesseiro e pega um lenço. Fred não sabia desse lenço e estranha, achando que a mulher vai amordaçá-lo. Ela sorri e venda seus olhos. Ele gosta.

      Com movimentos lentos, Diana vai beijando Fred, todo o rosto, pescoço e peito, passando seu corpo sobre o corpo de Fred, como se fosse uma massagem... Se levanta um momento e fica apreciando Fred, com aquele corpo perfeito, com músculos bem definidos, abdome liso, onde ela fica passando as pontas das unhas, fazendo com que Fred arrepie e solte gemidos.

      Continua beijando o corpo do marido e vai descendo até ficar sobre as pernas dele. Mais uma vez ela admira Fred. Depois se levanta, ficando em pé, com Fred entre suas pernas e toca um pé em seu peito, escorregando de cima a baixo. Fred, ansioso, gosta da brincadeira. Continua deslizando seu pé por todo o corpo do marido, inclusive no rosto e na boca. Se abaixa e destranca as algemas, dando liberdade às mãos do marido, que logo procuram seu corpo e num movimento rápido a coloca deitada de costas e começa a apertá-la, beijando-a inteira. Fred não se importa de estar vendado. Já conhecia aquele corpo, sabia de cada detalhe, cada curva, e era só se entregar num prazer infinito, com os minutos marcados.

      Diana não se continha, jogava a cabeça para trás e gemia, apenas com os beijos e o carinho de Fred. Este a imobilizava e a possuía, ao mesmo tempo com força, mas com toda a delicadeza de um cavalheiro, tentando não se empolgar demais e acabar com o prazer antes da hora.

      Sentia o corpo de Diana vibrar, arrepiar, a respiração ofegante, os olhos fechados, fazendo parceria com o lenço que tapava seus olhos. Não precisavam se olhar, conheciam um ao outro e sabiam do que gostavam e queriam tudo aquilo. Sabiam a hora exata de doar um carinho, um beijo, uma mordida. Sabiam a hora que um gemeria e procurava a boca do outro para se entregarem num longo e molhado beijo. Sabiam a hora de parar uns minutos, para que o prazer durasse mais tempo, a noite toda se quisessem.

      Exaustos, se entregam num gemido, ao mesmo tempo, e permanecem quietinhos. Fred sobre Diana, saboreando cada respiração e cada suor de seu rosto, ainda sentindo o coração pulsar como louco, querendo sair e gritar ao mundo que não existia amor maior e que aos poucos se aquietava, e Fred, agora deitado ao lado de Diana, adormecia, e ela, presenciando tudo aquilo ficava admirando o marido e sentindo bem de perto sua respiração, até que não aguentando, adormecia também.

      Não demorou muito e o sol já entrava pelas frestas da cortina, e um raio intrometido queimava os olhos de Fred, que acordava e ficava olhando para sua amada, para sua mulher, para Diana, sua alma gêmea. Ainda tinha uns minutos antes de se levantar. Fred, delicadamente colocou a mão nos cabelos de Diana, com o cuidado para não acordá-la e simulou tocar seu rosto, os lábios entreabertos, os olhos fechados e desceu sua mão pelo corpo de Diana, mas sem tocá-la, apenas pairando a mão e tentando sentir seu calor. O despertador toca, Diana apenas se mexe e vira para o outro lado, Fred beija sua cabeça e se levanta para mais um dia de trabalho.

      Fim.

18 comentários:

  1. Bom Dia Clara

    Acordou inspirada menina, conto bom demais e que dá agua na boca rsrsrsrs.

    Parabens !!!

    Bom Dia para você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Às vezes eu acordo inspirada... aí sai essas pérolas.... rsrsrs

      Beijos, Janaína!

      Excluir
  2. Uau!!Lindíssimo, bem inspirado e apaixonado conto! Gostei! beijos,chica

    ResponderExcluir
  3. Uau!!! Noite caliente amiga! Muito boa a narrativa sobre o casal. Oh coisa boa não? Iniciar o dia lendo um texto assim é bom demais!!! Também tenho um texto erótico. Qualquer dia posto no blog.
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Oi Clara!

    Muito bom seu conto! Leituras assim inspiram que é uma beleza : )

    Beijos!

    Selma

    ResponderExcluir
  5. Muito bom! Espero ver mais destes. Abraço. Alfredo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De vez em quando aparece algum assim.... rsrsr
      Beijos

      Excluir
  6. Quanta sensualidade no teu conto.
    Gostei.
    Um beijo, querida amiga Clara Lúcia.

    ResponderExcluir
  7. .


    Foi bom ter vindo. A minha
    sopa precisava, mesmo,
    ser salpicada com pimenta.

    Beijos,

    silvioafonso





    .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma pimentinha de vez em quando é muito bom!

      Beijos

      Excluir
  8. Querida amiga
    Depois de muito silencio, eu vim me fazer presente, trazendo a certeza que me recordo de você com carinho e amizade.
    Sinto muita saudade de não vir aqui mais vezes, mas fiquei presa no caminho, tentando resolver algumas coisas pendentes.
    Pedras aparecem pelo caminho, e delas precisamos fazer renascer lindas flores, para que nossa vida se torne um lindo jardim.
    Abraço amigo.
    Maria Alice
    Meu facebook é http://www.facebook.com/mariaalicefcerqueira

    ResponderExcluir
  9. Gostei muito. Aconteceu exatamente assim algumas vezes!!

    Beijuxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx...

    KK

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se aconteceu, vc é um homem privilegiado, pode ter certeza, KK!!!

      Beijos

      Excluir

Olá, seja bem vindo e deixe seu comentário!

Eu os responderei por aqui mesmo ou por email, se achar necessário.

São muito bem-vindos, sempre!