quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Uma Dor Inevitável

filha arrumando malas pra morar com o pai

      Depois de muita discussão, Ester sai do quarto da filha Adriana, chorando. Não se conforma no que acabara de ver: a filha arrumando as malas para morar com o pai.

      Adriana, uma filha meiga, delicada, estudiosa, um sonho de menina, educada somente pela mãe que carregou o "mãe solteira", não se conformava em viver longe do pai tanto tempo. Depois de dezesseis anos ele reaparece como um zumbi reencarnado e agita toda a pacata vida de Ester. Ronaldo chegou cheio de dengos com a filha, prometendo mil e uma coisas, conseguindo conquistar Adriana em pouco tempo.

      Ronaldo é um homem bem apessoado, situação financeira estável, boa lábia, carinhoso, mas um tanto canalha e cara de pau. Quando soube da gravidez da então namorada Ester, simplesmente disse que não estava preparado para assumir compromisso nenhum e se mudou com destino desconhecido. Ester enfrentou a família, que a acusava de "moça fácil", mas ajudou-a no sustento de sua filha. Tempos difíceis, sofridos, com gravidez problemática, mas tudo terminou bem. Adriana nasceu miudinha, mas com saúde e resistência suficientes para crescer normalmente.

      Ester não se conformava de ter que ouvir da filha que agora iria ser feliz ao lado do pai, já que a mãe nunca quis tê-lo por perto. Por mais que ela explicasse à filha que ele simplesmente sumiu, Adriana não acreditava, ainda mais agora que o pai voltou e contou sua versão da história. Inverteu a situação à seu favor deixando Adriana sofrendo mais uma vez.

      Até quando esse transtorno? - perguntava Ester, olhando para o alto, esperando uma explicação do Altíssimo para uma vida tão difícil e sofrida. Por que esse homem tinha que voltar? - continuava indagando Deus, procurando na imensidão azul do céu, uma resposta que a confortasse e lhe desse um pouco de paz.

      Adriana estava totalmente cega e surda, além de eufórica e feliz. Mas Ester sabia que seria uma felicidade aparente, pois conhecia muito bem aquela peste do Ronaldo. Este apenas dizia para não se preocupar, que cuidaria da filha com todo o carinho, que tinha estrutura suficiente e que estava arrependido de não ter assumido antes. Deixou todos os dados residenciais com Ester e lhe prometera trazer a filha de vez em quando, mesmo se esta não quisesse.

      Em seu silêncio, em suas orações, Ester resolveu não mais lutar contra a filha, tentando convencê-la a não tomar essa atitude. Apenas desejou-lhe boa sorte e disse que as portas de sua casa estariam sempre abertas. Optou  por continuar ouvindo o que a filha lhe falava, do que criar intrigas entre ela e o pai e com isso a filha se calar.

      Adriana fechou as malas, disse um tchau seco sem olhar para os olhos da mãe e se foi. O pai estava aguardando no portão, em seu carro de luxo.

      Depois de bater a porta, Ester despencou no chão, desesperada e aos prantos, permanecendo naquela posição o resto do dia. Ainda tinha uma esperança da volta da filha, que até ontem era aquele bebezinho carequinha e rosado, e hoje já toma decisões sozinha. Ester se lembrou que ouviu de muitas pessoas que filhos nós criamos para o mundo, que devemos dar asas para que eles façam suas escolhas, e os pais, por bom senso, devem ficar na retaguarda, dando o apoio necessário caso precisem. E essa precisão Ester aguardava ansiosa, com o coração nas mãos, pela volta da filha. Achava injusto o pai chegar depois de tanto tempo, já com a filha grande, formada, e arrancar-lhe assim, brutalmente. Afinal, não colaborara nada para sua educação e para seu sustento. Tudo muito fácil, já que não teria que se esforçar nada para cuidar de uma filha.

      Depois da primeira noite sozinha, Ester parou de chorar e resolveu seguir sua vida, voltar à rotina e não se preocupar tanto se a filha estava bem ou não. Para saber disso bastaria apenas um telefonema. E isto ela faria diariamente. Pouca conversa, mas sentia que a filha estava bem. Um ciúmes tomou conta de seu coração só de imaginar a filha amando mais o pai do que ela, que tanto batalhou para lhe dar uma vida decente. Mas se Adriana está bem, está tudo certo então. Não há mais o que fazer e nem com o que se preocupar. Ester sabia da educação que dera à filha e confiou na forte base com bom caráter, nos exemplos corretos, no amor abundante e na capacidade da filha em se virar, caso precise.

      Aos poucos, Ester foi ficando tranquila e até conseguia sorrir e se divertir com os amigos que sempre a arrastavam para algum bar ou restaurante.

      Sim, os filhos são criados para o mundo e mãe deveria ter vários corações espalhados pelo corpo, porque um só não bastaria para quando passasse por dores, por saudades... é cruel demais.

      Adriana, por decisão própria, resolvera dividir seu tempo com o pai e com a mãe, passando alguns dias com cada um. Sim, Ester fizera um bom trabalho, uma boa educação com a filha amada. Continuava aquele bebezinho rosado e risonho, que brincava de esconder atrás do sofá para a mãe procurar até encontrar, só que agora a brincadeira era em outra casa, com os outros cinquenta por cento de seu DNA.

      A vida dando um jeito, se encaixando da melhor forma possível, nessa modernidade de família que é tão comum hoje em dia.

Fim.

14 comentários:

  1. Clara, e ainda te digo mais, sair de casa, com a idade que for, para onde for, é sempre difícil para pai, mãe e filho. Ôooo coisa boa e complicada é a tal da família, não é? kkkk bjsss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito complicada, Márcia. E com filhos então... a gente sofre!
      Beijos

      Excluir
  2. Clara, não é fácil encarar a decisão dos filhos. Mas aceitar é preciso.
    Ainda bem que a menina não se decepcionou com o pai. Melhor para ela.
    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A gente ama demais, quer o bem, não queremos que sofram... e isso dói! Eles têm o direito de fazer sua própria história. Haja coração!
      Beijos

      Excluir
  3. Vejo acontecer isso demais! E recentemente aconteceu o contrário com um amigo. Ele criou o filho sozinho enquanto a mãe queria investir na carreira e curtir a vida! Ela se casou 3x e nunca chamou o filho para morar com ela e nem mesmo as férias escolares. Só queria viajar e agora que ela envelheceu, procurou o filho com a cara maior cara de tacho - como dizia a minha mãe - reverteu toda a situação para ela, dizendo que o pai não deixava que ela se aproximasse. Filho acredita, até porque não deve ser muito bom encarar a realidade.
    O passado fica para trás e de um jeito ou outro, chega uma hora em que os filhos terão suas próprias casas. Melhor manter a boa convivência e não procurar conflitos.
    Beijus,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luma, relações familiares já é complicado demais, ainda mais qdo um não compartilha como tem que ser, junto, dividindo. É triste qdo isso acontece, mas acontece e os filhos sempre são imaturos pra enxergarem como é realmente a história.
      A boa convivência é essencial, qdo se tem maturidade suficiente pra saber que nada se ganha com conflitos.

      Beijos, querida!

      Excluir
  4. Isto da mãe sempre fazer a maior parte, já é um treinamento para o futuro.
    Beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como pais temos obrigação de formar o filho, educá-lo para o mundo. O sofrimento existe, mais cedo ou mais tarde, né?

      Beijos

      Excluir
  5. Triste e real. Acontece muito, o tempo todo. As "definições" familiares são diferentes. Mas as dores são tão iguais...

    Beijos
    Pâmela Rodrigues
    Blog: Liste & Realize
    Página no Facebook

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito triste e comum hoje em dia, infelizmente...

      Beijos

      Excluir
  6. Olá Clara.
    Primeiro quero abraçá-la agradecida, pois você é a presença de numero 150 no meu blog, o que me fez muito feliz e realizada!
    Quanto ao texto devo dizer que é uma história real que vemos a cada esquina, mas muito dolorida!
    Tenho exemplo na família mas de maneira invertida: Meu filho querido sofre por "alienação parental" que perante a lei é crime grave sujeito a punição.
    Por ser traído, não suportou a dor e foi para fora do Brasil refugiar-se, depois de um ano voltou em busca da separação a qual foi litigiosa por opção dela...
    E desde então, só sofrimentos!
    A história ainda não acabou...
    Um abraço forte e amigo
    Serei tua seguidora.
    Beijo
    Ivany

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito triste isso. E com filhos envolvidos, com certeza, algum dano na cabecinha da criança vai causar. Que triste mesmo!
      Que Deus ilumine seu filho e que tudo se resolva da melhor forma possível.

      Beijos

      Excluir
  7. Mais comum do que gostaríamos vemos situações nada justas se imporem em nossos dias.Muito bem conduzido o conto, Clara e de fato, às vezes o DNA grita mais alto.
    Boa tarde p/vc.
    Bjos,
    Calu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A gente acha até injusto, mas a filha tinha todo o direito de saber do pai e querer morar com ele. Isso não temos o que discutir.

      Beijos, querida!

      Excluir

Olá, seja bem vindo e deixe seu comentário!

Eu os responderei por aqui mesmo ou por email, se achar necessário.

São muito bem-vindos, sempre!