sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Em outras vidas - IV parte - final

Continuação...

primeira parte
segunda parte
terceira parte

Casamento marcado, tudo pronto e Rafael muito feliz.
Na última semana de solteiro, Rafael foi se encontrar com sua agora noiva e percebeu que ela estava deprimida, chorando e muito pálida. Antônio, seu irmão, não estava em casa.
- O que foi, querida? O que aconteceu? Tá nervosa com o casamento?
- Rafael, eu te amo tanto, tanto... Não me condene, por favor, me perdoa? Eu não suporto ficar sem você, esse tempo todo, esses anos todos, essas vidas todas, o que eu sempre quis foi ficar do seu lado... Me perdoa?
- Como assim, essas vidas todas? Que vidas? Que anos todos? Não tô entendendo nada...
Mariana apenas o abraçou e ali ficou quietinha.
Depois de algum tempo, com Mariana mais calma, foram caminhar, pois a tarde estava linda, uma brisa suave e um sol iluminado.
Ao longe avistaram a cigana e Mariana só fez um comentário com Rafael e continuou caminhando.
- Como vai o casal?
- Estamos bem, mas hoje não queremos ler as mãos, certo?
- Claro! Eu já sabia disso.
E encarou Mariana que não a olhava nos olhos e se foi.
Mariana quis voltar para casa pois estava com dor de cabeça.
Rafael, antes de se despedir, percebeu em seus olhos uma tristeza profunda, um olhar mais penetrante ainda que o deixou com as pernas bambas. O olhar de Mariana sempre o intrigava muito. Não conseguia entender aquela força que ela tinha escondida. Mas a amava tanto e tanto que não via a hora de se casarem e viverem juntos para sempre. Para sempre! Ela sempre repetia essa frase para ele. Para sempre!
Um dia antes do casamento, Rafael foi à casa de Mariana... A casa estava praticamente demolida, sem o telhado, com alguns móveis ainda lá dentro e sinal de abandono não recente, mas de anos e anos.
Ficou desesperado e começou a chamar os vizinhos para ter uma explicação.
- Mas essa casa está assim há anos! Nunca morou ninguém aí, que a gente saiba..
- Como assim? E Mariana, Antônio? Para onde foram?
- Nós não conhecemos eles...
Rafael, sem noção do que fazer, caminhou pela rua, como que arrastado por uma força e se viu em frente ao cemitério. Entrou.
Foi até o túmulo de seu pai e começou a conversar, tentando entender o que havia acontecido; e uma luz do seu lado direito começou a brilhar, como se o sol estivesse batendo em um vaso de cobre em um túmulo por ali perto. Foi até lá e lendo, soltou um grito de dor... "Aqui jazz Mariana de Alcântara Batista - 1840 - 1874 - Uma doce filha que morreu por amor".
Rafael ficou zonzo, caiu de costas e bateu com a cabeça em uma quina de um túmulo. Perdeu os sentidos.
Quando voltou abrindo os olhos, viu Mariana a lhe sorrir e a lhe estender as mãos. Estava se sentindo mais leve, flutuando; segurou as mãos de Mariana e sentiu aquela paz. Estava realmente flutuando. Mariana com aquele vestido simples, florido, também flutuava. Conversavam por telepatia:
- Amor de minha vida... Que bom que você veio... Eu te amo tanto e tanto... Agora teremos a eternidade para viver esse amor.
Rafael, olhou para trás e viu seu corpo estendido no chão, no meio dos túmulos. Largou a mão de Mariana, deu um grito e sumiu de novo.
Acordou no hospital, depois de 13 dias em coma, todo entubado e sem se lembrar de nada.
A mãe estava por perto, acariciou seu rosto e lhe beijou a testa.
- Meu querido, voltou! Mamãe está aqui, viu? Agora está tudo bem, calma...
Aos poucos, com o decorrer dos dias, Rafael foi se lembrando do que havia acontecido. Parecia um sonho, um pesadelo onde acabara de acordar. Começou a fazer perguntas à mãe e não teve muitas respostas, até que se lembrou de tudo; de Mariana, do cemitério, do mistério da cigana, da casa demolida. Não contou nada a ninguém sobre Mariana, apenas disse que ela e o irmão haviam se mudado para outro país.
A mãe dele não entendeu nada, mas achou melhor não ficar questionando o que havia acontecido. O que importava era que seu filho estava bem.
Depois de recuperado, Rafael não quis mais voltar ao cemitério. Recomeçou sua vida em outra cidade, com sua mãe e suas irmãs.
Agora um advogado bem sucedido, com uma outra visão do mundo e, nunca mais se relacionou sério com nenhuma mulher. Agora era um homem do mundo, e queria desbravá-lo enquanto tivesse vida.
E era feliz assim, até que conheceu Carla.
Ah, Carla...

The End

10 comentários:

  1. Surpreendente e lindo!Adorei!!!beijos praianos,chica

    ResponderExcluir
  2. Minha nossa! :o
    Lindooooooooooooooooooooooooooooooo e sinistro! :P
    Clap, clap, clap, clap, clap, clap, clap, clap, clap! (muitas palmas!!!)
    Maravilhoso, parabéns!
    Beijo, beijo!
    She

    ResponderExcluir
  3. Lindo.
    Adorei.

    Resgate de vidas passadas que Mariana e Rafael viveram.
    Mariana precisava voltar e reviver a história para poder descansar em paz?

    Parabéns Clara.

    ResponderExcluir
  4. Estou achando que agora vem a historia da Carla .....ah a Carla
    *rs

    ResponderExcluir
  5. foi bem legal essa série, gostei Clara! faz mais rs.

    sim, o que não foi feito na outra existência nessa se arrumou.

    gostei da Clara Aguinalda Silva rs.
    bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  6. Final arrepiante,Clara!Parabéns pelo excelente conto,eu adorei!bjs,

    ResponderExcluir
  7. Clara,
    que história boa! Adorei! Surpreendente e muito bacana!
    Beijos
    Chris
    http://inventandocomamamae.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Um final fantástico, mas emotivo.Acho que Rafael e Mariana tem histórias pregressas, heim? Quem sabe , um dia vc nos conta?
    Amei a série.
    Bjos,
    Calu

    ResponderExcluir
  9. Clara,
    vc não havia me contado desse seu dom noveleiroooo... Gostei do final aberto ("Ah, Carla...") que faz supor se seria Mariana de volta... ou que mais poderia o rapaz viver...
    Parabéns!
    Linda semana pra vc!

    ResponderExcluir
  10. Que beleza esse final Clara, melhor não poderia. Parabéns!
    Beijokas !

    ResponderExcluir

Olá, seja bem vindo e deixe seu comentário!

Eu os responderei por aqui mesmo ou por email, se achar necessário.

São muito bem-vindos, sempre!